Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Apeadeiro da Mata

Apeadeiro da Mata

25
Mai22

J. P. Dias – Joaquim Pedro Dias – Joaquim Pedro “Cego”

Francisco Carita Mata

Continuação da saga sobre um Homem notável e peculiar de Aldeia da Mata

Que gostava de fazer e deixar Obra e de a testificar, gravando as siglas do respetivo nome e as datações.

Horta do carrasqueiro. Foto original. 2022.05.18 jpg

Caro/a Leitor/a, nesta saga sobre o Srº Joaquim Pedro “Cego”, que viveu em Aldeia da Mata, no dealbar do séc. XIX para o séc. XX, vamos já para o sexto capítulo da narrativa.

O ponto de partida foi a Ermida de São Pedro, modesto, mas interessante monumento que sacraliza / cristianiza o espaço territorial da Povoação, a Norte, precisamente onde o Povoado se iniciou e, perdoem-me habitantes de outros locais da Freguesia, onde reside a respetiva Alma. (Isto, se as Terras têm Alma!)

Essa narrativa continuou por mais três capítulos, sobre o senhor e as suas obras, sobre a companheira, sobre a casa que para ela mandou construir. E um capítulo V, sobre o Ti Domingos “Cego”, que ia com o casal para a Horta do Carrasqueiro.

Ficámos de saber se no Monte / Horta de Sampaio, onde ele cegou, haveria algum registo e de confirmar o que, segundo a Mãe, existe na Horta do Carrasqueiro.

Aproveitando estes meses primaveris de Abril e Maio, passados na Aldeia, pesquisei sobre o assunto.

Em conversa com o Sr. Augusto Basso, penúltimo proprietário da Horta de Sampaio, fiquei a saber que aí não existe nenhum registo nominativo na obra, nem respetiva datação.

No dia 17 de Maio, tendo encontrado o Sr. José Gouveia, atual proprietário da Horta do Carrasqueiro, aproveitei para lhe perguntar se aí havia algum registo, conforme a Mãe me dizia. Confirmou o facto, referindo ser na frontaria e também a existência de uma janela lateral com gravação de letras na ombreira superior e encimada por uma cruz.

Pedi autorização para ir à Horta observar, confirmar e fotografar. Pedido prontamente aceite. Não deixei de questionar sobre as vacas, mas referiu que são mansas.

Ficou projetada uma ida, logo que pudesse.

E, nem de propósito, o Amigo Marco estava de folga no dia seguinte e entusiasta destes passeios culturais pela Natureza, combinámos uma visita ao local para essa data: 18 de Maio, 4ª feira.

Passeata que viria a incluir visita ao Carrasqueiro e ao Tapadão, para revisitar a respetiva Anta, aonde já não ia há várias décadas, quiçá, meio século.

Na Horta do Carrasqueiro confirmámos a respetiva datação: 1896 e as primeiras letras do nome, conforme foto titulando o postal.

E ficamos, por aqui?!

Caro/a Leitor/a, nos aguarde em próximo capítulo, SFF!

 

25
Mai22

Poesia dedicada às Fontes de Aldeia da Mata

Francisco Carita Mata

De: «Falcão da Costa / Poeta»

Açucenas a caminho das Pulhas. Foto original. 2022.05.17. jpg

«As Fontes da Minha Terra»

 

«Pus-me um dia a caminhar

Fui ver as fontes da minha terra

E assim pude apreciar

Monumentos de outra era

 

Fui e vi logo a fonte da Bica

Com a sua torneira amarela

E que bem perto fica

Quase junto à nossa janela

 

Caminhei e vi a fonte de Salto

De água pura tão fresquinha

Espera lá no alto

Que enchas a cantarinha

 

Mais adiante vi a fonte das Pulhas

Virada para o Salgueirinho

E no meio das pedregulhas

Vi a beber um passarinho

 

Dei a volta subi ao outeiro

Olhei! e lá no fundeiro

Vi a fonte de Alter

Junto ao caminho do apeadeiro

 

Foi um dia que não esqueço

Andar por estes caminhos

A fonte de Ordem dentro do povo

A do Boneco virada para Pucarinhos»

 

«Falcão da Costa / Poeta»

 

Parabéns ao Sr. Falcão e Obrigado por disponibilizar estas quadras para publicação, enriquecendo o nosso "Apeadeiro da Mata".

 

*******

 

Também em “Apeadeiro da Mata”, voltamos com Poesia. Estas seis quadras, do Srº Falcão, também Poeta. Dedicadas às nossas Fontes. Monumentos singelos, é certo, mas de grande valor. Embora, atualmente, o respetivo valor de uso, não tenha comparação com o que tinham até aos anos sessenta, quando foi instalada a distribuição de água ao domicílio, elas são ainda muito valiosas. Têm um valor cultural, estético, etnográfico. São verdadeiras Obras de Arte. Saibamos nós apreciá-las. E ainda nos fornecem a preciosa água, embora nem todas com a mesma qualidade. A melhor água, minha opinião, é a da Fonte do Salto.

A respetiva limpeza, embelezamento, cuidados de higiene, não deixar lixos, é um dever de nós todos, Cidadãos Matenses ou não! E dos nossos Orgãos Autárquicos, claro!

Mantenham-nas simples, asseadas, e todos ganhamos.

E para quando enquadrá-las em “Percursos Pedestres”?!

Ilustro com foto das Açucenas, a Caminho da Fonte das Pulhas.

E, com este Poema em quadras, continuamos a divulgar Poetas de Aldeia da Mata.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D