Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Apeadeiro da Mata

Apeadeiro da Mata

28
Mai23

O “Chamiço” em “Apeadeiro da Mata”

Francisco Carita Mata

Na continuação do publicado em Aquém-Tejo!

Ponte do Chamiço. Foto original. 02.02.23.

Ligações para postais versando o tema supracitado:

O Apelido Carita e o Chamiço - A Trisavó Rosa!

Visita à “aldeia” do Chamiço (I): Em boa hora fomos…

Visita à “aldeia” do Chamiço (II) - Enquadramento(s), Contexto(s) e Sugestão!

Visita à “aldeia” do Chamiço (III) - Enquadramento Arbóreo. (As conversas são como as cerejas…)

“Gentes da Gente” no Chamiço! - “Martle Santo” – Santo Isidro!

*******

Faias. Foto original. 02.02.23.

Boas Navegações pelo “Chamiço”!

Fotos?!

A Ponte: Monumento ancestral.

Árvores icónicas. O cicerone que nos acompanhou na visita, o Sr. Aníbal Rosa, designou-as como “Faias”. Eu pensava que eram choupos. Conheço mal as faias.

Gostaria de arranjar um exemplar para plantar no “Vale de Baixo”. No dia da visita, 02/02/23, ainda Inverno, as plantas estavam desprovidas de folhas. Cortei um ramo para abacelar, mas esqueci-me dele no campo. Não trouxe e não pude experienciar o abacelamento, a ver se dava resultado, como já fiz milhentas vezes.

 

23
Mai23

Finalmente, voltou a chuva!

Francisco Carita Mata

Há um mês que não chovia, aqui para o Norte Alentejano!

Crónica molhada e estórias de “Gatos no Quintal” ( XIII)

Foi precisamente no dia 21/04/23 que publiquei também um postal sobre o tema. Que, chover é tema relevante de comunicar. E foi precisamente no passado domingo, 21/05/23, que voltou a chover. Ao final da tarde, na hora de passeio vespertino no circuito de manutenção, ela voltou. A água, a chuva! Por aqui, pela minha Aldeia, foi praticamente apenas o dia em que ela se dignou aparecer, com alguma consistência! Porque, hoje, 3ª feira e, ontem, segunda, mal deu ar de sua graça. Praticamente nada. Ligeiros pingos, pelo menos até agora.

As fotos mostram as Catalpas floridas, precisamente enquanto chovia.

Catalpas floridas. Original. 21.05.23.

Não era chuva de arrepiar caminho e mesmo Gil (Eanes), o gato caçador, não desistiu de me acompanhar, apesar de o ter tentado afugentar, para não ficar molhado. Seguiu-me e, claro, foi ele que mais se molhou. Miou, miou… (Que, eu levei guarda-chuva.)

A foto dos pingos de chuva e dos gatos, Ricardina e Gil.

(Ontem: 22/05/23)

Pingos de chuva. Original. 22.05.23.

Dia em que já não choveu. Ficaram os pingos de chuva!

Fiz limpezas no “Quintal de Baixo” e lá andaram os manos a acompanhar-me.

Enquanto chovia no domingo, o abrigo improvisado em que os manos se acoitaram.

Gatos em dia de chuva. original. 21.05.23.

E que chova mais um pouco. Já não sopra o vento seco que nos assolava há dias. Nem as poeiras do Sahara. Nem os calores destemperados que povoaram Abril.

A última foto: Pôr-do-sol em dia de poeiras.

Pôr do sol. Foto original. 18.05.23. 

(18/05/23)

17
Mai23

“Gentes da Gente” em romaria no Chamiço!

Francisco Carita Mata

De  “Martle Santo” a Santo Isidro?!

Santo Isidro. Maio 23.

Em Aquém-Tejo, apresentei postal referindo que o próximo programa “Gentes da Gente”, da Rádio Portalegre, sábado 20 de Maio, será sobre o Chamiço.

Será também dia de caminhada de Monte da Pedra ao antigo povoado de “Monte Chamisso”!

(Tenho publicado diversos postais em Aquém-Tejo e neste Apeadeiro, sobre esta antiga freguesia do concelho do Crato. Ademais na sequência de visita realizada a 2 de Fevereiro, com o amigo Casimiro e tendo por cicerone o Sr. Aníbal Rosa.)

No próximo “Gentes da Gente”, o Sr. César Azeitona debruçar-se-á sobre este antigo povoado. (Certamente contextualizando-se no presente e na romaria, estabelecendo elo entre um passado distante e adormecido na memória coletiva das povoações próximas e a atualidade, através das nossas vivências modernas, com recurso aos novos meios comunicacionais: rádio, internet, ….)

Para além da visita efetuada em 02/02/23, estive numa romaria, há mais de cinquenta anos, em meados dos anos sessenta, era eu miúdo. Lembro-me de ter estado na ermida, mas não me recordo de detalhes da mesma. Também não me recordo de ter ido à ribeira, à ponte, ao moinho, que ainda ficam a alguma distância da ermida. (A superfície do antigo povoado era bem superior aos “400 metros quadrados”, referidos em “Etnografia Portuguesa”!)

Voltando ao Programa “Gentes da Gente”. O Sr. César teve a amabilidade de ceder algumas fotos. Publiquei duas em Aquém-Tejo. (Não publico nenhuma foto com as pessoas entrevistadas, porque não conheço ninguém e não lhes pedi autorização para divulgação.)

Neste postal, ilustro com duas fotos de um painel de azulejos que estará certamente na ermida. Imagens de Santo Isidro, padroeiro dos agricultores / lavradores.

13.jpg

Há uma questão curiosa que levanto, que também já li, abordada noutro blogue.

O orago / padroeiro da antiga aldeia do “Monte Chamiço”, até à sua extinção, meados do século XIX, era o “Martle Santo”, ou seja, São Sebastião.

Atualmente, desde o século XX, a devoção no Chamiço é direcionada para Santo Isidro.

Como e de que modos se terá processado essa modificação?!

As datas das respetivas celebrações terão tido influência nesse facto?!

*******

Por aqui me fico.

Boa romaria / romagem. Boa caminhada. Excelente audição do Programa “Gentes da Gente!

 

13
Mai23

Azinhaga da Fonte das Pulhas: Efeito túnel!

Francisco Carita Mata

Azinhaga. Efeito túnel. Foto original. 12.05.23.

Já abordei várias vezes temáticas sobre este caminho vicinal azinhaga / Aldeia da Mata.

Azinhaga Fonte das Pulhas. Original. 12.05.23.

Bem no início, as árvores que bordejam no lado norte e sul, permitem estruturar um efeito de sombra e proteção a partir de um esboço de túnel. Não atinge a dimensão e amplitude de muitas situações semelhantes, numa escala bem mais emblemática, por esse país fora e no estrangeiro. É o que é! É o que temos. Mas pode e deve ser mantido e melhorado esse efeito.

É uma sugestão que faço e deixo aos vindouros. Tentem manter e melhorar o conjunto de arvoredo, de modo que essa perceção de túnel sombreado fique engrandecida.

Pela minha parte e enquanto cá estiver, tentarei que o lado norte, correspondente ao limite do Chão da Atafona, mantenha as árvores que o compõem e até melhorá-lo.

A saber: Oliveira centenária, plantada por alguém meu antepassado, as Figueiras da Índia e o Loureiro, plantados por mim e ainda sem trinta anos. A Figueira, plantada, segundo me disse o meu Pai, pelo Tio João Carita. Terá para aí um século. Depois seguem-se Oliveiras, todas elas plantadas por antepassados e provavelmente também da mesma idade. Duas Amendoeiras amargas, semeadas e plantadas por mim, há cerca de vinte anos. (Provenientes de amêndoas trazidas de plantas que bordejam a estrada, quase, quase em Arraiolos, lado noroeste, de quem vem de Vimieiro.)

Azinhaga Fonte das Pulhas. Original. 12.05.23.

Entremeando com as várias árvores, vários arbustos: alecrins, roseiras, açucenas, vincas, rapaziadas, lilás. E várias árvores ainda muito pequenas plantadas nestes últimos anos : loureiros, muitos nascidos espontaneamente; gilbardeira, lírios roxos e brancos, muitas figueiras da Índia… Eu sei lá que mais. O tempo o dirá.

Continuando no sentido Oeste, direção da Fonte, várias Azinheiras, que estruturam esse efeito de copa alta. Não sei se nasceram espontaneamente, se foram semeadas ou plantadas. Também terão várias dezenas de anos ou mesmo centena.

Entre as várias árvores centenárias, Oliveiras e Figueiras, tenho várias figueiras da Índia e outras plantas xerófilas, que à medida que no Chão se caminha para Oeste, o terreno é mais seco. E as previsões que se projetam para o futuro também são no sentido de acentuar a secura do clima (Alterações climáticas?!)

Azinhaga Fonte das Pulhas. Original. 12.05.23.

Não importa! As fotos procuram documentar o conteúdo e o enquadramento do espaço.

Azinhaga Fonte das Pulhas. Original. 12.05.23.

(O Gil adora fazer estas caminhadas.)

Votos de bons passeios e Saúde! 

 

 

12
Mai23

Gatos e Aves combinam?!

Francisco Carita Mata

Crónica sobre Gatos do meu Quintal (XII)

Desde Abril que não escrevo nada sobre os gatos no quintal e nunca mais soube de Bart nem de Mi-Dú!

A pergunta que titula o postal teve ontem, onze de Maio, uma resposta dramática. Gil aparece-me no “Quintal de Baixo” com um passarinho na boca. Parecia-me de ninho, ainda mal nascido. Logo tentei que largasse o “troféu” que me vinha mostrar. Fugiu com ele para o Chão, voltou novamente, repreendi-o outra vez, voltou a fugir, mas sem largar a presa. Assustei-o, mas nada. Tentei mostrar-lhe que não gostava da cena, ameacei-o. Impedi-o de ir dar a volta habitual, no circuito de manutenção, não lhe dei os mimos habituais. Será que compreendeu?!

Coisas de gatos! Decididamente gatos e pássaros não combinam, ou se há alguma combinação, os passarinhos perdem. Até há um ditado, talvez um pouco sádico: “o céu dos pardais é a barriga dos gatos”! Aliás a banda desenhada relatava esta saga entre o célebre Gato Silvester e o Piu – Piu. O gato sempre a querer papar o passarinho, a querer levá-lo para o céu!

“Mi-Dú” e Bart nunca mais apareceram. Todavia, nestes inícios de Maio, tem surgido um exemplar fugidio, não sei se gato se gata, ao final da tarde, para a amesendação vespertina. Sorrateiro, receoso, escapulindo-se por entre as sarugas, contornando os postes do cabanal, atreve-se ao repasto deixado nos recipientes.

Nem Gil ou Ricardina manifestam qualquer oposição. O medo, vergonha(?), do bicho é mais da minha pessoa. Não sei se será Bart, julgo que não, pois este chegou a ir comigo e o irmão até ao Porcozunho e Fonte das Pulhas. Mas como tem estado tanto tempo ausente, não sei. Também não tenho facilidade em conhecer. Penso ser outro da coleção dos gatos malhados, que nos foram adotando desde 2020. (Pelas minhas contas, seriam sete. Todavia, o máximo que vi, simultaneamente foram cinco: a mãe e os quatro filhotes.) “7 vidas têm os gatos”!

Sobre Ricardina. Em meados de Abril, observei que a barriga lhe crescia de ambos os lados. Pensei que estaria grávida. Tudo indicava que sim. Muito marralheira, pouco aparecia, quase apenas para comer. Pensei: para quando o nascimento?! Finais de Maio, princípios de Junho?!

Qual o meu espanto, quando a observo a 4 de Maio, de ventre liso. Ainda na véspera, a vira cheia. Que lhe acontecera?! Dera à luz?! Onde?! Quando nos apresenta os gatinhos?! Miava, miava muito, continuou miando nos dias seguintes. E os gatinhos não apareciam!

Tê-los-ia perdido? Teria abortado?! Teria parido nalgum quintal e o respetivo/a dono/a terá enviado os bebés para alguma “tecedeira de anjos”?! Perguntas sem resposta, até agora.

Continuou miando, meia aflita, por alguns dias. Até que veio ganhando ânimo. Recentemente, nos dias nove – dez, observei-a, em alegres brincadeiras, de namorisco com o Gil. Temos caso?!

E ocorreu-me uma pergunta impertinente. Será que o Gil, em comportamento típico de felino, terá exercido a função de “tecelão de anjos”?! Não sei!

Aguardemos o desenrolar de futuros acontecimentos. Os dois manos, casal(?) são presença permanente no “Quintal de Baixo”. Gil continua a acompanhar-me no circuito de manutenção. (O comportamento de ambos, perante diversas situações, é completamente oposto. Até na comida.)

Gil e Ricardina. Original. 08.05.23.

(Gil e Ricardina)

Voltarei a estas narrativas de gatos!

 

11
Mai23

Ameixoeira Frutificada!

Francisco Carita Mata

Vale de Baixo – Aldeia da Mata

No caminho da Fonte das Pulhas ou do Porcos Unho!

Ameixoeira frutificada. Original. 05.05.23

Há cerca de vinte anos, pouco mais ou menos, semeei uns caroços de ameixas, no Vale de Baixo, entre a valeta sul e a parede, bordejando a Azinhaga da Fonte das Pulhas. A maioria não terá nascido, como é costume. (Se eu me orientasse pela taxa de sucesso das minhas sementeiras / plantações, há muito que eu teria desistido desta tarefa / função / mania / trabalho / idiossincrasia. Outro nome lhe chamaria, pensarei eu, mas não escrevo.)

Preciso de ter uma confirmação exata que esta ameixoeira resulta dessa sementeira, mas para isso tenho de a ver com os frutos amadurecidos. Veremos se será neste ano.

Frutos já tem, neste ano de 2023, como se pode observar na primeira foto. Não são muitos, mas esperemos que os poucos que tem, amadureçam.

Ameixoeira. Foto original. 07.05.23.

Em 2020 estava carregada. Mas foi o ano da pandemia. E, na altura em que estariam maduros, já lá mais para finais de Junho / Julho, ocorreram situações constrangedoras, no âmbito da Covid, e não pudemos vir à Aldeia. De modo que nunca vi os frutos no estádio final.

Perguntei a alguns dos passantes habituais, mas ninguém se lembrava dos frutos, de como eram ou deixavam de ser, de cor, forma, sabor. Adiante… Há muito boa e santa gente que não liga a estas coisas peculiares da Natureza.

Mas a Árvore terá amadurado as ameixas. Não me parece que a covid tenha afetado o respetivo amadurecimento! Se, ninguém, humano, as comeu, tê-las-ão comido os passarinhos, julgo eu. Mas esses também questionei, mas também nenhum me respondeu. Os rouxinóis dão-me música. E que música! Celestial! Todos os dias, quando faço o meu circuito de manutenção, muitas vezes acompanhado pelo Gil, eles cantam, cantam, trinam, trilam, gorjeiam, é algo sublime, encantador, inigualável, inimitável.

- Caro/a Leitor/a, costuma assistir aos concertos dos rouxinóis, aí para os lados onde habita?!

(Ainda sobre a Covid, será que as pessoas ainda têm consciência de como foi esse singular ano das nossas vidas?! Ou a Covid nunca existiu?! O Ser Humano tem por vezes amnésias seletivas!)

Mas nada disso é relevante para o fundamental.

Não sei o nome das ameixas ou abrunhos que semeei. Sei que eram caroços de uns frutos dessa espécie, muito vulgares, pretos, oblongos, carnudos e saborosos. Vendem-se todos os anos nos supermercados. Gosto de comprar, habitualmente.

Os desta ameixoeira, lembro-me de os ver verdes e tinham o formato elíptico. Os da foto inicial já apontam para essa formação. Aguardemos.

Se forem pretos, confirma-se a minha hipótese. A Árvore resultou da minha sementeira.

Ameixoeira. Foto original. 07.05.23.

Até lá, se chovesse um pouquinho, não faria mal.

Bem sei, que anda pessoal nos fenos…

(Não chovendo, terei de começar a regar.)

 

10
Mai23

Flores singelas!

Francisco Carita Mata

Papoila. Foto original. 06.05.23

Papoila e Rosa

Rosa silvestre Foto original. 05.05.23

Lá por seres flor singela

Sendo papoila ou rosa

Não deixas de ser mais bela

És uma flor bem formosa!

*******

(Quadra escrita esta tarde, inspirada nestas flores singelas do campo. Algures, Maio, Aldeia da Mata.

Papoila: Azinhaga da Atafona; Rosa Brava: Estrada Nova, frente à Azinhaga da Fonte da Bica)

 

08
Mai23

Coletânea "ERA UMA VEZ...ALENTEJO" 23

Francisco Carita Mata

Os meus contributos 2023

Aldeia da Mata vista do Rescão. Foto original. 04.04.23.

Aldeia da Mata - Povoação centenária do Alto Alentejo.

Vista a partir da Tapada do Rescão.

O perfil do povoado mais antigo: "Terreiro". A Torre Sineira da Igreja Matriz e a Araucária, os dois ícones da Aldeia. 

Enquadrando a paisagem e a foto, ramagens de azinheiras. E oliveiras.

Os restos dos muros antigos de pedras graníticas, delimitando as propriedades. A partir da Tapada do Rescão, de onde tirei a foto, identifica-se o Chão da Pereira, a Tapada das Freiras, o Vale de Baixo. Seguem-se os Chãos e quintais junto às habitações.

*******

Esta foto inclui-se na Antologia Virtual, integrando a referida Coletânea, promovida pelo Instituto Cultural de Évora e divulgada através da Editora Recanto das Letras.

Consulte SFF.

Participei também com um poema: Maios de Abril, interligado com foto também original, que divulguei em Aquém-Tejo.

No ano passado também já havia participado.

Ainda penso organizar postal, com ligações para outros participantes do universo SAPO.

Boas leituras virtuais é o que lhe desejo, Caro/a Leitor/a.

Obrigado pela sua atenção.

 

07
Mai23

Dia Da Mãe - 2023

Francisco Carita Mata

Rosas da Roseira da Avó Rosa

Roseira da Avó Rosa. Foto Original. 30.04.23.

Esta roseira é uma bênção. Todos os anos carrega de rosas.

Está no “Quintal de Cima”, derrama-se pelo muro, ergue-se pelo suporte da latada. É por demais visível do exterior, para todos os passantes, que nem são muitos, quase sempre os mesmos. Eu serei certamente das pessoas que mais ali passo.

Este postal é uma das minhas homenagens a todas as Mães. Especialmente à minha Mãe! À Mãe da minha Filha. A todas as Mães da minha Aldeia. A todas as Mães que naveguem nestes postais dos blogues do SAPO!

Roseira da Avó Rosa. Foto Original. 30.04.23.

Estabeleço ligações para outros postais:

Todos os dias são dias de Mãe.

Poema dedicado à Mãe.

Quadras Tradicionais II.

Feliz Dia da Mãe!

 

04
Mai23

“Dia da Bela Cruz” – 3 de Maio

Francisco Carita Mata

Cruzeiro de São Pedro. Foto original. 02.05.23.

Dia 3 de Maio também é o “Dia de ir esperar a Dona Rosa”!

Cheguei a ir esperar a “Dona Rosa”, em criança, nos tempos de Escola Primária.

Em adulto, nos anos oitenta, escrevi um conto sobre esse assunto. (Haveria de publicá-lo online.)

(Com esse conto, concorri a Jogos Florais de Arronches, julgo que em 1987. Ficou em 2º lugar. Em 1º, ficou um conto de Hugo Santos.)

Mas estou para aqui a falar da “Dona Rosa”. Saberá, o/a Caro/a Leitor/a, quem era esta “Dona Rosa”?!

Não se admire se não souber. Julgo que esta Senhora faz parte das “Alentejanices”!

Na altura, inícios dos anos sessenta, com mais colegas da Primária, fomos esperar a Dona Rosa, ao Apeadeiro da Matta. Julgava que era uma nova Professora Primária que viria dar-nos aulas.

Não era! Soubemos depois, ou soube eu, não sei se os outros já sabiam, quando chegámos ao Apeadeiro e não veio nenhuma “Dona Rosa”.

“Dona Rosa” era a sesta que começava a ser usufruída, a partir de três de Maio, quando os trabalhadores labutavam de sol a sol e começava o calor. Era um dia muito desejado, já se vê.

Nestes novos tempos de labuta caiu em desuso. Não, para a minha banda. Neste ano, comecei ainda em Abril a usufruir da sesta, mesmo sem trabalhar do nascer ao pôr do sol.

Anteontem e ontem, trabalhei no Vale de Baixo: instalação de rede protetora em duas figueiritas. Na de São João, rebentada a partir de bacelo na Primavera do ano passado, e transplantada para o local atual, no Outono. As cabritas já lhe depenicaram o rebento superior, mas continua viva, com novas folhas laterais. E “figos”.

Na figueira de pingo mel, trazida de rebento – ladrão, que vizinho Gonçalves, de Almada, nos deu, também instalei proteção. Dos quatro “ladrões” ofertados, parece-me que apenas um vingará.

Depois destes trabalhos, duche e após almoço, a sesta. Hoje, foi dia de recolher lixos para reciclagem. Não houve trabalho de campo, mas também houve sesta!

Sesta, antigamente designada de “Dona Rosa”, cuja chegada se celebrava a 3 de Maio.

Juntamente com o “Dia de Dona Rosa” também o “Dia da Bela Cruz”.

Cruzeiros enfeitados, o de São Pedro fotografei ainda a 02/05, que o enfeitamento é feito de véspera. O de Santo António ainda não pude lá ir. Quando for, já as flores estarão secas, com este calor!

(Fotos?! Continuo sem conseguir colocar no blogue?! Consegui! Através do Meo Cloud.)

Os inícios de Maio são dias muito celebrados. O 1º de Maio é certamente o mais célebre. O três de Maio também tem as suas lembranças tradicionais.

Também “As Maias” eram festejadas. E ainda são lembradas nalgumas localidades. Já escrevi sobre o tema e documentei nos anos oitenta. Também foi assunto publicado em De Altemira…”

E os dias de “Exaltação da Santa Cruz” também continuam a ser lembrados. Barcelos tem as nomeadas “Festas das Cruzes”. (A RTP1 transmitiu programa sobre o assunto.)

(E sobre festividades de Maio, ficamos por aqui. Aguardo comunicação das 20 horas!)

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D