Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Apeadeiro da Mata

Apeadeiro da Mata

31
Out23

Neste 31 de Outubro: Imagens de Poentes!

Francisco Carita Mata

Pôr do sol. Foto original. Out.23.

Aldeia da Mata: a partir do Chão da Atafona!

Pôr do sol. Foto original. Out.23.

Neste último dia de Outubro, publico fotos de ocasos, em dias já da 2ª quinzena: 19, 20, 22 e 23.

Já após ter chovido, o ar com mais humidade, nuvens de diversas tonalidades, o Outono dá um ar de sua graça, brindando-nos com outras perspetivas de pores do sol.

Fotos tiradas do “Chão da Atafona”, na direção do “Vale de Baixo”.

Permite-nos perspetivar os poentes, enquadrando-os nas árvores que ladeiam os espaços: Grevília, oliveiras, carvalhos, eucalipto…

(As 2 primeiras fotos são respetivamente de 19 e de 20 de Outubro. Na 1ª, perspetiva-se a folhagem da grevília e a do carvalho. Na 2ª, destaca-se o folhedo do eucalipto.)

As duas fotos seguintes são de 20 e 22 de Outubro.

Pôr do sol. Foto original. Out.23.

(Observam-se ramos e folhas da Catalpa, que ganhara nova folhagem neste especial Outono / verão!)

Pôr do sol. Foto original. Out.23.

(Na foto anterior, de 22, não se observa uma diferenciação individualizada das plantas: oliveiras, figueiras, ameixoeiras, silvas...)

As 3 fotos seguintes são de 23 de Outubro.

Pôr do sol. Foto original. Out.23.

(A anterior, coloquei-a em posição original, enquadrando o Ocaso pela rama de Oliveiras.)

Pôr do sol. Foto original. Out.23.

(Nesta anterior: Catalpa, Oliveira e Grevília.)

Na seguinte: Carvalho e Oliveira.

Pôr do sol. Foto original. Out.23.

(O Sol põe-se cada vez mais a Sul.)

Votos de Saúde e bons passeios Outonais, já não Outubrais, mas Novembrais!

(Nota final: as fotos são de minha autoria, bem como os textos.)

 

29
Out23

Rosas em Outubro! Na minha Aldeia...

Francisco Carita Mata

Porque choram as Rosas?! ...

(Fotos de rosas, no dia 15 de Outubro. No meu Quintal...)

Antes de chover...

Rosa rosa. Foto original. Out 23

                      (Rosa rosa...)

Rosa Alexandria. original. Out 23

                    (Rosa de Alexandria)

Rosa Branca. Quintal de cima. Foto original. Out 23

(Rosa branca... e um intruso?! Coabitação? Coexistência pacífica ou conflituosa?! Entreajuda?!)

...e depois de ter chovido.

Rosa rosa. Foto original. Out 23

                        (Rosa rosa...)

Rosa de Alexandria. Quintal de cima. Foto original. Out 23.

                    (Rosa de Alexandria)

Rosa de Santa Terezinha. original. OUT.23.

                 (Rosa de Stª Terezinha)

Botão de rosa. Foto original. Out 23.

(Botão de rosa branca. Não é da mesma roseira da anterior flor branca, nem da mesma variedade. São diferentes!)

E... Porque choram as rosas?!

E... porque choram as nascentes do Jordão?!

Caro/a Leitor/a, poderá achar uma pieguice publicar fotos de rosas... Mas, face às desumanidades a que assistimos diariamente, considero preferível "falar" de rosas ...

Metáforas...

Saúde e Paz!

19
Out23

Visualizações em “Apeadeiro da Mata” Outubro 23

Francisco Carita Mata

Um postal que não gostaria de escrever… (Gatos do Quintal - XVIII)

Na sequência da publicação do postal citado em epígrafe, em 15/10/23, as Visitas e Visualizações em “Apeadeiro da Mata” subiram exponencialmente, face ao que é habitual no blogue.

Totais: 16/10/2023) - 369 Visitas - 432 Visualizações

Totais: 17/10/2023) - 859 Visitas - 958 Visualizações

Totais: 18/10/2023) - 632 Visitas - 711 Visualizações

Páginas mais visitadas: Visualizações:

16/10/2023:

17/10/2023:

18/10/2023:

*******

Fiquei intrigado. Verifiquei nos destaques do SAPO blogs e na plataforma noticiosa do SAPO e o postal referido não aparecia. 

(Habitualmente estas funcionalidades provocam mais visitas e visualizações.)

Não estando o postal nestes destaques, como se terá processado esta “inflação” de visualizações?!

Fiquei deveras intrigado!

(Vi também nas plataformas do Facebook da minha Aldeia. Mas não observei partilhas do postal.)

O que se terá passado para o facto de o postal referido ter aumentado significativamente as visualizações, face ao que é comum no blogue?!

Caro/a Leitor/a, já lhe tem sucedido situação semelhante?!

Obrigado pela atenção. Votos de saúde e de Paz!

 

18
Out23

O gato Gil voltou!

Francisco Carita Mata

Mas... voltou ferido!

Gatos do Quintal (XIX)

Hoje, quando fui dar almoço aos gatos, já no final, aparece-me um que nem reconhecia.

Magrérrimo! Só depois me apercebi que era o Gil!

Mas... fiquei chocadíssimo!

Arrastando a perna traseira esquerda, toda esfacelada!

Foi, de certeza, apanhado numa armadilha.

Tirei fotos, mas ainda não me atrevo a revelar.

Pelo menos voltou.

Como devo proceder?!

Dar-lhe comida com antibiótico?!

Será que ele aceita tratamento de algum veterinário?!

É chocante ver assim o animal!

Tanta guerra! Tanto ódio! O Mundo anda perdido!

 

15
Out23

Um postal que não gostaria de escrever… (Gatos do Quintal - XVIII)

Francisco Carita Mata

Mas que vai ter de ser escrito!

Gil. original 04.03. 23

Gatos do Quintal XVIII – Crónica de tristeza e desalento!

Gil. original 14.03. 23

Não gostaria de escrever, porque encerra duas notícias desagradáveis.

Gil. Original. 07.05.23.

O gato Gil, um dos protagonistas que deambularam por estas crónicas sobre “Gatos do Quintal” anda desaparecido há oito dias! O que, dado o historial dos irmãos – Ricardina, em Julho e Bart, em Abril – não mais aparecerá.

E, não aparecerá, porquê?! Presume-se, deduz-se que terá morrido!

Mas de “morte natural”?! Duvido completamente. O mais certo é ter sido morto.

Propositadamente?! Provavelmente não! Alguma armadilha colocada nos campos, para “apanhar” outros bichos. E, os gatos… exploradores e curiosos como são, nelas terão caído.

Isto é o que eu imagino. Que não sei nada sobre o assunto. Não vi. Não sei! Mas que as há, há!

Mas este é já o terceiro gato que desaparece! Dos quatro irmãos, apenas resta Mi-Dú e os dois filhos: Du-Dú e Riscadinho, sobrinhos duplamente de Gil!.

E esta é necessariamente a segunda notícia desagradável: Quem terá armadilhado?!

(Não vou escalpelizar mais o assunto. Ponto final.)

Gil e sobrinhos comendo. original. 28.09.23.

Mas que sentimos a falta de Gil, lá isso sentimos! A desenvoltura, a sofreguidão na comida, o afago e simpatia que demonstrava sempre, apesar de lhe chamar “chato”, a companhia que fazia, uma presença tutelar, de guarda, enquanto eu cirandava no Chão ou no Vale. A correria, a subida às árvores a mostrar as habilidades, o instinto caçador, catando, espreitando, atento ao menor ruído e movimento. Lá que caçava pássaros, lá isso apanhava; talvez até os ninhos, é provável; também as lagartixas, nunca mais se viram! Mas também ratos, nunca mais houve nos quintais, nem no palheiro. Cobras também, mas pequenas. Que caçadora de cobras como nenhum, era Ricardina – heroína!

Mi-Dú sempre foi mais recatada. É mais maternal. Julgo que andará novamente de bebé! É para povoar o espaço. Que, agora, só ela e os filhotes.

Gil, Mi-Dú, Du-Dú, Riscadinho. Original. 28.09.23.

Destes, Du-Dú tenta imitar o tio Gil, mas ainda não consegue. Esperemos que se afoite mais e me acompanhe nas passeatas. Também ainda não é adulto. Estará nos cinco meses.

Gil e Du - Dú.  28.09.23.

Mas que sentimos a falta de Gil, lá isso sentimos!

Gato GIL. Foto original. 24.09.23.

É uma sensação de perda, de algo que falta, situação que eu julgaria completamente improvável, há dois anos (2021)! Mas a Vida é uma constante aprendizagem e nada é a preto e branco. Tudo muda e há imensas cambiantes na realidade em que vivemos e que nos cerca.

Neste Mundo atroz, em que as guerras, a destruição, imperam, às mãos dos homens entre si. Que importância tem um gato ser morto, provavelmente numa armadilha?! Mesmo que tenha nome de explorador: Gil (Eanes)!!!

Termino esta crónica desalentada sobre gatos. Para não falar da desumanidade dos seres humanos. Que se matam estupidamente e que destroem tudo o que constroem em guerras atrozes, em que milhares de inocentes morrem, são sacrificados… em nome de quê??!!

*******

Fotos Originais, de minha autoria, para o bem e para o mal! Todas de 2023.

4 Março: Gil, descansando no Caminho.

14 Março: Gil, vigilante, desperto por algum ruído.

07 Maio: Gil, seguindo-me, apanhando-me na passeata.

28 de Setembro: Gil e sobrinhos.

28 Setembro: Gil, a irmã e os filhos desta, seus sobrinhos.

28 Setembro: Gil e sobrinho Du-Dú.

24 Setembro: Gil, deitado, numa postura que lhe era muito peculiar, esfregando-se na areia.

 

 

12
Out23

Arte “Pastoril” na Aldeia (II)

Francisco Carita Mata

Trabalhos de Conterrâneos e algumas incursões minhas neste campo.

(“Manias minhas”, já se vê!)

Uma moca!

Arte Pastoril. Foto Original. Out.23.

Houve um tempo específico, neste nosso querido Portugal, em que as mocas estiveram na moda.

Ainda se lembra Caro/a Leitor/a?! (Intolerâncias!)

Esta moca foi feita, a partir de um ramo de azinho, nessa época, pelo Srº Joaquim Mariano Belo, também conhecido – sem ofensa – por “Vira – Milho” e “Come batatas”! (Os anexins das Aldeias são um tratado de Sabedoria!) E ofereceu-a ao meu Pai.

Arte Pastoril. Foto Original. Out.23.

Eu, nos anos oitenta, decorei a base do “cone” com umas “caraças” e a face, com estilização de folhas de carvalho e um sol. Depois, envernizei. (Os desenhos estão muito gastos. Precisam ser retocados.)

Arte Pastoril. Foto Original. Out.23.

Porta – Chaves!

Arte Pastoril. Foto Original. Out.23.

Também feito pelo Sr. Joaquim Mariano Belo, que deu ao meu Pai. Na face, que está na foto, as iniciais do meu Pai. Na outra face está o nome da Rua e o nº., para não se perder. Ou se se perder, encontrar o caminho de volta. Muito bem pensado. Também é em madeira. Não sei de que tipo. Mas que é muito resistente, lá isso é!

O formato é deveras interessante. Remete-nos para o perfil de antigas figuras antropomórficas, ancestrais, associadas a culturas primitivas, pré-históricas.

Uma cabaça com um formato muito original!

Arte Pastoril. Foto Original. out.23.

Nela, também em meados dos anos oitenta, fiz uns desenhos estilizados de folhas de carvalho negral. São muito recortadas e isso permite obter desenhos muito interessantes. Depois, também envernizei. O cordel de pendurar é de fio de barbante entrançado. Também dá um efeito agradável.

Um tapete em cortiça.

Arte Pastoril. Foto Original. Out.23.

Foi-me oferecido, provavelmente também lá pelos anos oitenta ou noventa, pelo “Ti Zé Fadista”, meu vizinho do “Quintal de Cima” – lado poente. (Convém frisar que o Sr. Joaquim Mariano Belo era vizinho também do “Quintal”, lado leste.)

Penso que ambos, em novos, também tiravam cortiça.

Este tapete, para além do trabalho de transformar / aplanar a cortiça tem as decorações estilizadas deste tipo de artesanato. Remete-nos também para a decoração que se encontra em vasos de cerâmica antigos, pré-históricos, comuns nas culturas ancestrais de antigos povos peninsulares.

E, como se conseguia aplanar a cortiça?! Julgo que era cozida / escaldada. Depois colocada em superfície direita e sobrepondo-lhe pesos consideráveis durante algum tempo, para que ficasse direita. Depois seria cortada à medida.

Não sei quem fez os desenhos, se foi o “Ti Zé Fadista”. Mas sei que ele era muito habilidoso.

Os últimos trabalhos aqui apresentados são três cajados.

Arte Pastoril. Foto Original. Out.23.

Estruturados e desenhados por mim, inspirando-me (?!) nesse tipo de artesanato.

Quando vou para o campo gosto sempre de levar um cajado. (Conselho do meu Pai!)

O da esquerda é de ramo de amendoeira amarga. É o que levo, habitualmente, quando o Gil vai comigo no caminho da Fonte das Pulhas. (A propósito, o gato Gil não aparece para aí há quatro dias. Que lhe terá sucedido?!)

O cajado do centro é de oliveira. É o mais decorado, mas é o mais frágil.

O da direita é de loureiro.

O que acha O/A Caro/a Leitor/a?!

(É caso para se dizer: "presunção e água benta cada um toma a que quer"!)

 

10
Out23

Arte Pastoril na Aldeia (I)

Francisco Carita Mata

Aldeia da Mata!

Num dos últimos postais em “Aquém-Tejo”, que, aliás, continuam a não aparecer em “Últimos Posts”, publiquei sobre “Arte Pastoril”, na Rua da Amargura, em Portalegre.

Pois, na minha Aldeia, também várias Pessoas, de antigamente, “produziam” objetos artísticos integrados neste conceito de Artesanato.

Resolvi apresentar fotos de alguns dos trabalhos que temos na nossa posse.

Na primeira, que titula o postal, o Caro/a Leitor/a, sabe o que são os objetos?

Arte Pastoril. Foto Original. 07.10.23.

Pois… são brinquedos de arame que se faziam, quando éramos crianças. Havia pessoas, novas e velhas, que eram habilidosíssimas. Lembro-me do Primo Cané, que era mestre, nos anos sessenta.

Estes dois brinquedos, vaca e cavalo não foram feitos por ele. Nem foram feitos para eu brincar! Foi o meu Pai que os fez, nos finais dos anos noventa, já reformado e Avô!

O objeto seguinte sabe que é uma tropeça ou tropeço.

Tropeça. original. 07.10.23

Foi feito pelo meu Avô Materno, também Francisco, para aí nos anos cinquenta ou sessenta, brinquei e sentei-me muito nele, tropecei também, como é perfeitamente visível, que as mazelas não enganam!

O 3º objeto também conhece: um cocho.

Cocho. original. 07.10.23.

Muita água terá servido, não era brinquedo, mas objeto utilitário. Muita cochada terá sido nele bebida! Também tem as marcas do tempo e do uso, que está também engatado.

O 4º objeto não saberá o que era, que eu também não sabia. Nem sei o nome! Também era um objeto utilitário, agora é peça de Museu!

Objeto que não sei nome. original. 07.10.23.

Perguntei à Mãe, que me disse ser um objeto utilizado pelos caçadores, quando iam à caça e levavam furões! Aos anos que isso já terá sido! Foi o Ti Bernardino Pinheiro que o deu ao meu Pai, certamente lá pelos anos trinta ou quarenta, que eu não cheguei sequer a conhecer o senhor.

Na 5ª foto, temos dois objetos: uma colher e um garfo, em madeira, deduzo que de pau-buxo.

Colher e garfo. Original. 07.10.23.

Uma verdadeira obra de arte, apesar do garfo também ter um dente partido. Não será da idade, pois não é assim tão velho, mas foi de queda que deu!

Comprei-os, algures numa feira ou mostra de artesanato, não me lembro nem onde nem quando. Mas, provavelmente, até já terá sido neste século ou nos finais do anterior.

Por agora, fiquemos por aqui!

Os próximos objetos resultam, em parte, de tentativas minhas de aproximação a este tipo de artesanato. Manias minhas! E trabalhos de outros artesãos, de que ainda quero tirar fotos.

Mas ficará para próximo postal.

Obrigado, pela sua atenção. Votos de Saúde. E de Paz!

 

05
Out23

Trabalhos de campo / Atividades no Ginásio IV!!!

Francisco Carita Mata

Proteção figueiras. Set. 23. original

Proteção de Figueiras no Vale de Baixo.

Proteção figueiras. Set. 23. original

Apesar do calor ou precisamente por isso, têm de ser feitos alguns trabalhos nos campos. Um deles é precisamente regar.

Outra atividade que tenho de desenvolver, periodicamente, é proteger algumas árvores mais pequenas. As ovelhas são terríveis! Têm uma predileção especial por pequenas árvores. Então pelas figueiras!…

As fotos são de 29 de Setembro, e testemunham o trabalho de proteção de duas figueiritas, que já foram depenicadas este ano. Uma figueira de São João que as cabras comeram, julgo que ainda na primavera, que, entretanto, rebentou e agora completei a proteção que já tinha, reforçando com segunda leva de rede. Por dentro da rede, coloco habitualmente ramos ou troncos secos ou canas, de modo a esconder as folhas verdes, motivo especialíssimo de atração do gado.

As redes, per si, protegem, mas não são totalmente eficazes. As ovelhas pressionam, empurram, levantam a rede por baixo, tentam ultrapassá-la por cima, de modo a alcançarem as folhas e, com esforço e persistência, acabam por conseguir.

É esse trabalho de ação contrária que tenho de executar, contrariando os intentos dos animais.

As fotos mostram as duas figueiritas protegidas, há também uma de pingo - mel e uma amoreira.

Na correnteza das árvores, no lado direito da valeta, também há quatro ou cinco freixos, uma pequena azinheira e um choupo negro.

As fotos documentam genericamente a situação.

Proteção figueiras. Set. 23. original

O aspeto das proteções não parece muito estético, mas o que importa é que seja eficaz!

20230929_105201 (3).jpg

Bons passeios, bons trabalhos de campo, de jardim, boas idas aos ginásios!

Promovem a Saúde e trazem-nos Paz!

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D