Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Apeadeiro da Mata

Apeadeiro da Mata

25
Mai22

J. P. Dias – Joaquim Pedro Dias – Joaquim Pedro “Cego”

Francisco Carita Mata

Continuação da saga sobre um Homem notável e peculiar de Aldeia da Mata

Que gostava de fazer e deixar Obra e de a testificar, gravando as siglas do respetivo nome e as datações.

Horta do carrasqueiro. Foto original. 2022.05.18 jpg

Caro/a Leitor/a, nesta saga sobre o Srº Joaquim Pedro “Cego”, que viveu em Aldeia da Mata, no dealbar do séc. XIX para o séc. XX, vamos já para o sexto capítulo da narrativa.

O ponto de partida foi a Ermida de São Pedro, modesto, mas interessante monumento que sacraliza / cristianiza o espaço territorial da Povoação, a Norte, precisamente onde o Povoado se iniciou e, perdoem-me habitantes de outros locais da Freguesia, onde reside a respetiva Alma. (Isto, se as Terras têm Alma!)

Essa narrativa continuou por mais três capítulos, sobre o senhor e as suas obras, sobre a companheira, sobre a casa que para ela mandou construir. E um capítulo V, sobre o Ti Domingos “Cego”, que ia com o casal para a Horta do Carrasqueiro.

Ficámos de saber se no Monte / Horta de Sampaio, onde ele cegou, haveria algum registo e de confirmar o que, segundo a Mãe, existe na Horta do Carrasqueiro.

Aproveitando estes meses primaveris de Abril e Maio, passados na Aldeia, pesquisei sobre o assunto.

Em conversa com o Sr. Augusto Basso, penúltimo proprietário da Horta de Sampaio, fiquei a saber que aí não existe nenhum registo nominativo na obra, nem respetiva datação.

No dia 17 de Maio, tendo encontrado o Sr. José Gouveia, atual proprietário da Horta do Carrasqueiro, aproveitei para lhe perguntar se aí havia algum registo, conforme a Mãe me dizia. Confirmou o facto, referindo ser na frontaria e também a existência de uma janela lateral com gravação de letras na ombreira superior e encimada por uma cruz.

Pedi autorização para ir à Horta observar, confirmar e fotografar. Pedido prontamente aceite. Não deixei de questionar sobre as vacas, mas referiu que são mansas.

Ficou projetada uma ida, logo que pudesse.

E, nem de propósito, o Amigo Marco estava de folga no dia seguinte e entusiasta destes passeios culturais pela Natureza, combinámos uma visita ao local para essa data: 18 de Maio, 4ª feira.

Passeata que viria a incluir visita ao Carrasqueiro e ao Tapadão, para revisitar a respetiva Anta, aonde já não ia há várias décadas, quiçá, meio século.

Na Horta do Carrasqueiro confirmámos a respetiva datação: 1896 e as primeiras letras do nome, conforme foto titulando o postal.

E ficamos, por aqui?!

Caro/a Leitor/a, nos aguarde em próximo capítulo, SFF!

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D