Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Apeadeiro da Mata

Apeadeiro da Mata

05
Out23

Trabalhos de campo / Atividades no Ginásio IV!!!

Francisco Carita Mata

Proteção figueiras. Set. 23. original

Proteção de Figueiras no Vale de Baixo.

Proteção figueiras. Set. 23. original

Apesar do calor ou precisamente por isso, têm de ser feitos alguns trabalhos nos campos. Um deles é precisamente regar.

Outra atividade que tenho de desenvolver, periodicamente, é proteger algumas árvores mais pequenas. As ovelhas são terríveis! Têm uma predileção especial por pequenas árvores. Então pelas figueiras!…

As fotos são de 29 de Setembro, e testemunham o trabalho de proteção de duas figueiritas, que já foram depenicadas este ano. Uma figueira de São João que as cabras comeram, julgo que ainda na primavera, que, entretanto, rebentou e agora completei a proteção que já tinha, reforçando com segunda leva de rede. Por dentro da rede, coloco habitualmente ramos ou troncos secos ou canas, de modo a esconder as folhas verdes, motivo especialíssimo de atração do gado.

As redes, per si, protegem, mas não são totalmente eficazes. As ovelhas pressionam, empurram, levantam a rede por baixo, tentam ultrapassá-la por cima, de modo a alcançarem as folhas e, com esforço e persistência, acabam por conseguir.

É esse trabalho de ação contrária que tenho de executar, contrariando os intentos dos animais.

As fotos mostram as duas figueiritas protegidas, há também uma de pingo - mel e uma amoreira.

Na correnteza das árvores, no lado direito da valeta, também há quatro ou cinco freixos, uma pequena azinheira e um choupo negro.

As fotos documentam genericamente a situação.

Proteção figueiras. Set. 23. original

O aspeto das proteções não parece muito estético, mas o que importa é que seja eficaz!

20230929_105201 (3).jpg

Bons passeios, bons trabalhos de campo, de jardim, boas idas aos ginásios!

Promovem a Saúde e trazem-nos Paz!

 

04
Dez22

Cores Outonais, em Dezembro.

Francisco Carita Mata

Quase Inverno e um Outono como há alguns anos não tínhamos!

As plantas atingem o apogeu dos tons outonais. No Vale de Baixo.

Nesta trintena de anos, desde a década de noventa do séc. XX, tenho vindo a plantar, de forma mais sistemática, árvores no “Vale de Baixo”. Um dos objetivos era criar renques de plantas que nesta época atingissem a plenitude da estação. Proporcionando o espairecer colorido do Outono! (Tenho árvores mais antigas, algumas dos anos oitenta, que já descrevi.)

Individualmente consegue-se. Globalmente não. As árvores ocupam um espaço relativamente diminuto, estão espaçadas e são de tipos diversos, não coincidindo simultaneamente na respetiva coloração amarelada.

Apresento individualmente alguns dos exemplares.

Inicio com um Choupo Negro, proveniente de bacelo que trouxe de Almada. É relativamente recente, década anterior. Sendo de crescimento rápido, já superou em dimensão árvores bem mais velhas.

Choupo negro. Foto original. 01.12.22

Excerto de Carvalho Roble ou Alvarinho. Também proveniente de Almada, trazido sob a forma de bolota, que semeei e transplantei para o Vale. Anos noventa.

Carvalho roble ou alvarinho. Foto original. 01.12.22

Romãzeira, do quintal da minha Avó Carita, que agora é do meu afilhado Carlos. É pequenina, mas também é dos anos noventa. Todos os anos frutifica.

Romãzeira. Foto original. 01.12.22.

Amoreira branca, do quintal da minha Sogra. É mais recente, embora atinja grande porte. Primeira década deste milénio.

Amoreira branca. Foto original. 01.12.22

E um elemento extraordinário: uma pedra. Totalmente coberta de líquenes, que não se consegue vislumbrar um pequeno excerto do elemento original. Presumo que seja de granito, mas também poderá ser de quartzo. Este Outono chuvoso permite estas evidências, que em anos secos passam despercebidas. (Não imagino a respetiva datação, nem tive qualquer intervenção no processo!)

Pedra. Foto original. 01.12.22

Viva o Outono, uma estação bonita. E o Outono da Vida!

Foto final: dois elementos patrimoniais icónicos e identitários de Aldeia da Mata.

Araucária e Torre Sineira. Foto original. 01.12.22.

02
Out22

Trabalhos no Ginásio (I) - Aldeia da Mata

Francisco Carita Mata

Mas em Aldeia da Mata há algum ginásio?!

Vale de Baixo. Aldeia da Mata. Foto original.

Se há ginásio?! Tenho pelo menos quatro à minha disposição. Vendo bem, até cinco! Ou até mais! Que tenho os campos, os caminhos e azinhagas ancestrais, que posso percorrer, calcorrear à minha vontade.

Aos quatro “ginásios” também lhes chamo “escritórios”. Escritórios?! Sim! De enxada, forquilha, ancinhos, forquilhão, tesouras de podar, podão, podoa, eu sei lá, os instrumentos e ferramentas que utilizo nestes meus trabalhos campestres.

Carro de mão e ferramentas. Vale de Baixo. Aldeia da Mata. Foto Original.

Ontem, dia 1 de Outubro, sábado, já Outono, e hoje, parece Verão. (São Pedro, precisamos de chuva!)

Foi ontem que concluí um “projeto” que vinha delineando há alguns anos. Limpar das silvas a parte da parede central e sul do Vale de Baixo.

Esta propriedade que o meu Pai comprou ao Sr. Gouveia, em 1974, dada a respetiva localização, em cota inferior relativamente a Aldeia, é atravessada por valetas que drenam águas pluviais de montante.

Duas valetas correm longitudinalmente ao limite sul da propriedade, rentes à Azinhaga do Porcosunho. Ambas drenam águas da Povoação. Uma delas é a célebre valeta onde desaguam as gravilhas. Drena no sentido Leste – Oeste.

A outra drena no sentido contrário: Oeste – Leste.

Ambas vão entroncar com outras duas valetas transversais ao terreno, provenientes do “Vale do Meio”. Drenam no sentido Sul – Norte, juntando-se no topo do terreno e prosseguindo para a Ribeira da Lavandeira, atravessando outras propriedades.

Estas duas valetas transversais dividem o espaço em três folhas. A leste é a de maior superfície. A de Oeste e a central têm menor dimensão. A soma das duas é inferior à de Leste.

É nesta faixa central de terreno, parte sul, que temos a maioria das árvores, nomeadamente seguindo as linhas de água determinadas pelas duas valetas transversais.

O topo sul da parte central no murete confinante com a Azinhaga, está bordejado por ameixoeiras silvestres, que estavam enxameadas de silvas. Foi aí que neste Verão e Outono fiz a respetiva limpeza.

E tem sido aí um dos meus ginásios, há três ou quatro meses.

(Desenvolverei este assunto.)

Documento com fotos originais. A primeira, que não é de minha autoria, proporciona uma visão global do terreno, no sentido Leste – Oeste. (Não, não vai até ao limite do horizonte.)

A segunda e terceiras são de minha autoria. A 2ª documenta parte da “caixa” das ferramentas e colheita de amoras silvestres.

Amoreira. Vale de Baixo. Aldeia da Mata. Foto original.

A 3ª uma das árvores mais recentes, uma amoreira, com tentativas de proteção face às ovelhas.

Obrigado pela atenção. Bons passeios e melhores ginásios! Saúde e Paz!

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D