Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Apeadeiro da Mata

Apeadeiro da Mata

08
Mai23

Coletânea "ERA UMA VEZ...ALENTEJO" 23

Francisco Carita Mata

Os meus contributos 2023

Aldeia da Mata vista do Rescão. Foto original. 04.04.23.

Aldeia da Mata - Povoação centenária do Alto Alentejo.

Vista a partir da Tapada do Rescão.

O perfil do povoado mais antigo: "Terreiro". A Torre Sineira da Igreja Matriz e a Araucária, os dois ícones da Aldeia. 

Enquadrando a paisagem e a foto, ramagens de azinheiras. E oliveiras.

Os restos dos muros antigos de pedras graníticas, delimitando as propriedades. A partir da Tapada do Rescão, de onde tirei a foto, identifica-se o Chão da Pereira, a Tapada das Freiras, o Vale de Baixo. Seguem-se os Chãos e quintais junto às habitações.

*******

Esta foto inclui-se na Antologia Virtual, integrando a referida Coletânea, promovida pelo Instituto Cultural de Évora e divulgada através da Editora Recanto das Letras.

Consulte SFF.

Participei também com um poema: Maios de Abril, interligado com foto também original, que divulguei em Aquém-Tejo.

No ano passado também já havia participado.

Ainda penso organizar postal, com ligações para outros participantes do universo SAPO.

Boas leituras virtuais é o que lhe desejo, Caro/a Leitor/a.

Obrigado pela sua atenção.

 

04
Mar23

Um Pôr-do-Sol de realce!

Francisco Carita Mata

Por do sol. Foto original. 03.03.23.

Aldeia da Mata – Adro da Igreja

Os primeiros dias de Março foram “Dias de exercício no Ginásio IV” – no “Vale de Baixo”.

Ontem, 6ª feira, houve um pôr-do-sol de realce. Não resisti. Fiquei um pouco mais pelo campo, para fotografar. O Ocaso é já pelas 18h. e 30’, sensivelmente. (Não me perguntem momentos exatos, que o Astro põe-se tão devagar e eu estou sempre apressado.)

Mas as fotos aí estão. No Adro, da Igreja Matriz, mas cada vez mais para Norte. 

Pôr do sol. Foto original. 03.03.23.

Também tirei no Chão da Atafona, com o perfil do Carvalho Roble, ainda sem folhas.

Pôr do sol. Foto original. 03.03.23.

(A Primavera vem-se anunciando, mas observo que muitas plantas ainda estão em contenção, certamente precavendo-se à falta de chuva. E ao frio.)

E da Grevília.

Pôr do sol. Foto original. 03.03.23.

Nos trabalhos, as companhias habituais: Gil e Bart. (Desta vez, sem direito a foto.) E também uns mirones, que fotografei, mas não divulgo.

Uma imagem dos trabalhos: Uma Figueira, liberta das silvas que a enleavam.

Figueira no Inverno. Foto Original. 03.03.23.

(O corte dos troncos não foi de minha autoria. Os senhores da Junta tiveram essa cortesia.)

Enquanto tirava fotos um bando de pássaros pretos “vozeava” bem no alto da Araucária.

Araucária. Do Adro de São Martinho. Foto original. 03.03.23

Bem no cocuruto. Julgo que seriam estorninhos, despedindo-se do dia. Não sei se aí pernoitarão, mas julgo que não.

Até logo, ou até já, que gostaria de criar outro postal. Ou até próximo postal.

Saúde e Paz!

 

21
Jan23

Pôr-do-sol – 21/01/23 – Aldeia da Mata.

Francisco Carita Mata

Uma imagem lembrando as cores dos Mestres Italianos!

Pôr do sol. Foto original. 21.01.23.

(Presunção… e água benta!)

Relativamente ao dia 20 de janeiro e no referente ao aumento dos dias, costuma-se dizer:

“Em vinte de Janeiro, uma hora por inteiro, mas quem bem contar, hora e meia lhe há de achar”

As fotos do pôr-do-sol não são de ontem, porque o ocaso não proporcionou imagens bonitas. São de hoje, 21/01/23, sábado, em que o sol, ao pôr-se, possibilitou boas fotos.

Relativamente ao aumento dos dias, não tenho valores exatos. Não fui verificar a que horas o sol nasceu. Levantar cedo?! Com o frio que está, não apetece nada. O pôr do sol tem ocorrido já um pouco depois das 17h e 40’. Como em Dezembro, no 1º dia de Inverno, essa ocorrência aconteceu pelas 17h. e 15’, então relativamente ao poente, o dia já tem mais 25’. Ao nascer?! (…)

Bem… ditados são ditados. Devem ser entendidos de modo genérico. Neste, querendo  significar que os dias são realmente maiores. E esse é um facto por demais percetível. Quem se levanta cedo também se aperceberá, certamente, da situação pela manhã.

A 1ª foto, titulando o postal, o sol acabando de se pôr.

Na 2ª, temporalmente anterior à que tutela o postal, tirada no Chão da Atafona, o sol ainda a ver-se por entre as oliveiras.

Pôr do sol. Foto original. 21.01.23.

A 3ª, os dois ícones de Aldeia da Mata. O sol ainda se vislumbra no alto da torre sineira, lado oeste.

Pôr do sol. Foto original. 21.01.23.

Na 3ª, o sol ainda, por cima do cabanal.

Pôr do sol. Foto original. 21.01.23.

Na 4ª, o sol quase a pôr-se, visto do início da Azinhaga do Porcozunho.

Pôr do sol. Foto original. 21.01.23.

E, na 5ª, já após o sol se ter posto. O realce da grandeza da Araucária!

Pôr do sol. Foto original. 21.01.23.

Veja o pôr-do-sol, SFF!

23
Dez22

Feliz Natal: 2022!

Francisco Carita Mata

Um conjunto de fotos sugestivas e evocativas desta quadra natalícia.

O Nascimento. O desvelo, o Amor maternal!

Nascimento. Foto Original. 20.12.22.

Em locais, onde, na infância, íamos recolher musgos para o presépio, na Igreja Matriz.  

Será que ainda se faz o Presépio na Igreja Matriz?! (Não sei de todo.)

Imagens em tapadas limítrofes da Tapada do Rescão, na margem esquerda da Ribeira do Salto.

Ovelhas. Igreja. Araucária. Foto original. 20.12.22

Ruínas de um antigo castelo?!

Castelo. Tapada do Rescão. Foto original. 20.12.22

Colossos pétreos de gigantes ancestrais?!

Colossos na tapada do rescão. Foto original. 20.12.22

No imaginário infantil, todos os sonhos eram possíveis, perante o que desconhecíamos. Podíamos “navegar” em mundos ancestrais ou futuristas…

*******

Um Natal Feliz para todos/as Conterrâneos/as!

Muito particularmente para Si, Caro/a Leitor/a, que tem tido a amabilidade de nos acompanhar neste percurso de postais, neste “Apeadeiro da Matta”. Saúde e Paz!

 

 

04
Dez22

Cores Outonais, em Dezembro.

Francisco Carita Mata

Quase Inverno e um Outono como há alguns anos não tínhamos!

As plantas atingem o apogeu dos tons outonais. No Vale de Baixo.

Nesta trintena de anos, desde a década de noventa do séc. XX, tenho vindo a plantar, de forma mais sistemática, árvores no “Vale de Baixo”. Um dos objetivos era criar renques de plantas que nesta época atingissem a plenitude da estação. Proporcionando o espairecer colorido do Outono! (Tenho árvores mais antigas, algumas dos anos oitenta, que já descrevi.)

Individualmente consegue-se. Globalmente não. As árvores ocupam um espaço relativamente diminuto, estão espaçadas e são de tipos diversos, não coincidindo simultaneamente na respetiva coloração amarelada.

Apresento individualmente alguns dos exemplares.

Inicio com um Choupo Negro, proveniente de bacelo que trouxe de Almada. É relativamente recente, década anterior. Sendo de crescimento rápido, já superou em dimensão árvores bem mais velhas.

Choupo negro. Foto original. 01.12.22

Excerto de Carvalho Roble ou Alvarinho. Também proveniente de Almada, trazido sob a forma de bolota, que semeei e transplantei para o Vale. Anos noventa.

Carvalho roble ou alvarinho. Foto original. 01.12.22

Romãzeira, do quintal da minha Avó Carita, que agora é do meu afilhado Carlos. É pequenina, mas também é dos anos noventa. Todos os anos frutifica.

Romãzeira. Foto original. 01.12.22.

Amoreira branca, do quintal da minha Sogra. É mais recente, embora atinja grande porte. Primeira década deste milénio.

Amoreira branca. Foto original. 01.12.22

E um elemento extraordinário: uma pedra. Totalmente coberta de líquenes, que não se consegue vislumbrar um pequeno excerto do elemento original. Presumo que seja de granito, mas também poderá ser de quartzo. Este Outono chuvoso permite estas evidências, que em anos secos passam despercebidas. (Não imagino a respetiva datação, nem tive qualquer intervenção no processo!)

Pedra. Foto original. 01.12.22

Viva o Outono, uma estação bonita. E o Outono da Vida!

Foto final: dois elementos patrimoniais icónicos e identitários de Aldeia da Mata.

Araucária e Torre Sineira. Foto original. 01.12.22.

11
Nov22

Araucária – Árvore icónica de Aldeia da Mata

Francisco Carita Mata

Uma marca identitária!

Araucária. Vista do Vale. Foto original. 27.03.22

Ontem, em Aquém-Tejo, escrevi sobre a candidatura a Árvore do Ano 2023, e sobre uma Oliveira Milenar, localizada a caminho da Fonte da Baganha.

Hoje, paramos no Apeadeiro da Mata, para testemunharmos sobre a célebre Araucária de Norfolk, marca identitária do perfil de Aldeia da Mata.

Situada num quintal particular, propriedade privada, evidentemente, todavia acaba por ser Património afetivo e cultural de toda a Freguesia. É, indubitavelmente, a Árvore mais emblemática, mais marcante da Aldeia. Pelo seu porte majestoso, a respetiva dimensão, as características formais, a proverbial localização junto à Igreja Matriz, ombreando com a torre sineira. Pese, embora, o facto de não ser uma árvore autóctone!

Para quem se dirija ao povoado, proveniente de Leste, do Norte, de Oeste, está sempre presente o respetivo enquadramento altaneiro.

As fotos testemunham o afirmado.

Foto titulando postal: vista de Noroeste, a partir do “Vale de Baixo” - 27/03/22. É, para mim, uma vista diária.

Araucária. Vista da tapada do rescão. Foto original. 07.04.22

2ª foto – 07/04/22 – vista de NW, a partir da “Tapada do Rescão”.

Araucária. Vista do caminho das Alminhas. Foto original. 24.04.22

3ª foto – 27/04/22 – vista de Nordeste, a partir do “Caminho das Alminhas”

Araucária. Vista do caminho do poço dos cães. Foto original. 08.05.22

4ª foto – 08/05/22 – vista a partir do “Caminho do Poço dos Cães” – Norte.

Araucária. Vista do Adro de São Martinho. Foto original. 23.09.22

5ª foto – 23/09/22 – vista de Oeste – Adro de São Martinho.

E se, num próximo ano, houvesse a ousadia de candidatar esta Araucária a Árvore do Ano?

 

27
Dez21

Erosão no “Entroncamento da Azinhaga e da Travessa” II

Francisco Carita Mata

Começaram as Obras!

Aldeia da Mata

Travessa do Fundão. Foto Original. 2021.12.23.jpg

Já abordei este assunto em “Apeadeiro” em diversos postais. Para além de também ter escrito sobre o tema, em “Aquém-Tejo”.

Travessa Fundão II. Foto original. 2021.12.23.jpg

Pois, tenho a informar que as “Obras” já começaram.

Na semana antes do Natal, constatei o facto que as fotos documentam.

Quero, por este meio, felicitar e agradecer aos “Herdeiros de Doutor Agostinho” que diligenciaram, por sua iniciativa, o trabalho que as fotografias ilustram. Doutor Agostinho, Médico Ilustre e Altruísta, de Aldeia da Mata, é merecedor de todo o nosso reconhecimento.

Obrigado! Parabéns!

Compete, agora, às Autarquias Locais: Junta de Freguesia de Aldeia da Mata e Câmara Municipal do Crato diligenciarem no acabamento da Obra.

Dois mil e vinte e dois está quase aí.

Formulo Votos de Festas Felizes e Excelente ano de 2022. Com muita Saúde!

Não resisto a ilustrar com mais duas fotos:

“Pôr-do-Sol”, visto do Adro da Igreja Matriz. No Inverno!

Pôr-do-sol. Foto original. 2021.12.23.jpg

Não é preciso viajarmos para locais longínquos para apreciarmos bonitas paisagens!

E da célebre Araucária-de-Norfolk.

Araucária de Norfolk. Foto Original. 2021.12.23.jpg

Reforço a sugestão anterior de, em anos futuros, esta Árvore ser “Candidata a Árvore do Ano”!

 

15
Out21

Luz e Encruzilhada de Sugestões!

Francisco Carita Mata

Lâmpada no poste e arranjo do “Cruzamento”!

A propósito de “Luz e Escuridão”, volto a escrever sobre o tema e reforçar os pedidos efetuados. Penso enviar este postal a Entidades competentes.

Travessa do Fundão. Foto Original. 2021.05.02.jpg

Na 1ª foto, que titula este postal, observa-se o espaço fundamental, onde são necessários alguns pequenos melhoramentos, que beneficiarão todos os utentes que diariamente percorrem esses lugares.

Situa-se no final da “Travessa do Fundão”, antigamente designada por “Azinhaga da Atafona”.

É fundamental instalar uma lâmpada no poste situado junto ao quintal de Drº Agostinho.

O espaço do final da Travessa do Fundão e o do “cruzamento” em que esta entronca com a “Azinhaga do Poço dos Cães” precisa ser arranjado de uma forma mais definitiva e durável.

Deixarem de colocar gravilha, conforme a 2ª foto ilustra, e usarem material mais consistente e duradouro.

Gravilha na Travessa Fundão. Foto original. 2021.10.09.jpg

Sugestões que faço:

No final da Travessa do Fundão, imediatamente antes do poste da eletricidade, instalar um escoadouro (calha / caleira), ligado a um cano subterrâneo, para escoar a água das chuvas, da referida Travessa e dos telhados das respetivas casas.

Cano subterrâneo que ligará até caleira já instalada no início da “Azinhaga da Fonte das Pulhas” / “Azinhaga do Porcosunho”.

Caleira Azinhaga Porcosunho. Foto Original. 2021.02.21.jpg

Esse espaço de “entroncamento” deverá ser trabalhado com material mais duradouro. Sugiro alcatrão, porque penso ser material mais durável e resistente. Aquele “entroncamento” é diariamente utilizado.

No final desse espaço alcatroado, instalar outra caleira, para escoar as águas desse “entroncamento”. Caleira essa ligada ao mesmo cano subterrâneo, anteriormente referido.

Travessa Fundão e "entroncamento". Foto Original. 2021.10.09.g

O espaço da Travessa do Fundão que medeia entre a parte que está calcetada e a 1ª caleira mencionada, antes do poste, ficaria bem também calcetado. Mas a não ser possível, que seja também alcatroado.

Estas são as sugestões mínimas que tomo a liberdade de fazer. É fundamental a respetiva execução nestes mínimos. Penso que ganharemos todos com isso. Fiz apenas sugestões. Há certamente quem perceba mais do assunto do que eu.

Penso enviar ligação para este postal às Entidades competentes: Junta de Freguesia de Aldeia da Mata e Câmara Municipal do Crato.

"Entroncamento" e Araucária. Foto Original. 2021.10.09.jpg

(Esta última foto serve para localizar o "entroncamento", no contexto espacial da Aldeia. Fica situado a Norte da Araucária, um ícone da Povoação.)

Obrigado pela sua atenção.

Votos de muita Saúde!

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D