Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Apeadeiro da Mata

Apeadeiro da Mata

01
Abr24

Viveiro no Café!

Francisco Carita Mata

No "Café do Jorge": Aldeia da Mata.

20240318_112458.jpg

Eu pensava que só eu é que tinha a "mania" de semear plantas, mas há mais pessoas que também têm este hábito salutar, educativo e louvável.

Quatro árvores, com direito a amesendação no "Café do Jorge"! Um mini viveiro, exposto na esplanada do Café, como se pode observar na foto!

Uma Laranjeira, um Sobreiro e as duas em segundo plano, julgo que são Azinheiras.

Pois, muitos parabéns, pela ideia e iniciativa.

*******

Uma excelente forma de celebrar e glorificar a Primavera!

 

06
Jan24

Árvores no Vale de Baixo: Dez / 23

Francisco Carita Mata

Pinheiro Manso. Foto Original. Dez.23

E resultado de trabalhos no Ginásio IV!

Estas fotos, de Dezembro, mostram algumas árvores no “Vale de Baixo”. São de 19 a 27/2023. Traduzem também a evolução de Outono para Inverno.

Titulando o postal, o “Pinheiro Manso”, que plantei entre pedra granítica, que rebentaram, para aproveitamento, mas que não concluíram. Por isso ficou uma fissura, onde a árvore se vai desenvolver. Junto à pedra, os “aparelhos de Ginásio”!

(Tinha protegido o Pinheiro, com rede, chamiços e canas, de modo que ovelhas e cabras não se pudessem aproximar e roer a planta. Situação que ocorreu por duas vezes, antes desta proteção rudimentar. Este pinheiro foi-nos dado em Almada, há cerca de dez anos, na habitual troca por lixo para reciclar. Iniciativa que a Câmara desenvolve também há várias dezenas de anos. O que nos tem permitido obter várias plantas.)

Os chamiços, em montão, antes de serem queimados.

Chamiços. Foto original. Dez.23

Ao longe, os monumentos carismáticos de Aldeia. No centro da foto, um Eucalipto que o Pai plantou, talvez há mais de trinta anos, também entre duas pedras graníticas nascediças. É atualmente, a árvore de maior porte do espaço.

(Várias Oliveiras, várias vezes centenárias, posicionadas no terreno.)

Ao lado esquerdo, observa-se uma Azinheira, nascida naturalmente entre duas pedras, que me lembro de ver sempre no terreno. Terá várias dezenas de anos. Foi nela que nos inspirámos para plantar árvores entre pedras.

Eis, imagem dessa Azinheira, in situ.

Azinheira. Foto Original. Dez.23

O Pinheiro com a proteção atual, que julgo suficiente face às ovelhas.

Pinheiro Manso. Foto Original. Dez.23

(Perante as cabras não sei!)

As cinzas!

Cinzas. Foto original. Dez.23

O fogo já fora!

(As fotos anteriores são todas de 19/12/23.)

As próximas três são de 24 de Dezembro.

O Chorão, ainda em modo de Outono.

Chorão. Foto original. Dez.23

Ontem, 05/01/23, ainda tinha folhas! Hoje, seis, “Dia de Reis”, está quase totalmente de Inverno. De noite, houve muito vento.

A parte central do Vale, com as árvores de folha caduca, todas em modo de Inverno.

Vale. Parte Central. Foto original. Dez.23

(Ameixieira, gamboeira, freixos, choupo, salgueiro, diospireiro…)

Lado SE e Este do Vale.

Vale. Parte SE e E. Foto original. Dez.23

As Catalpas, já no Inverno. O Carvalho Roble ainda tem folhas amarelas. Mas o irmão já as perdeu.

O mencionado Carvalho Roble, dia 27 de Dezembro.

Carvalho Roble. Foto Original. Dez.23

(Hoje, 6 de Janeiro de 2024, ainda tinha folhas.)

Cada tempo tem seu tempo!

(Para esta metodologia, Outono – Inverno, de certo modo, inspirei-me em "maiordesessenta".)

 

05
Out23

Trabalhos de campo / Atividades no Ginásio IV!!!

Francisco Carita Mata

Proteção figueiras. Set. 23. original

Proteção de Figueiras no Vale de Baixo.

Proteção figueiras. Set. 23. original

Apesar do calor ou precisamente por isso, têm de ser feitos alguns trabalhos nos campos. Um deles é precisamente regar.

Outra atividade que tenho de desenvolver, periodicamente, é proteger algumas árvores mais pequenas. As ovelhas são terríveis! Têm uma predileção especial por pequenas árvores. Então pelas figueiras!…

As fotos são de 29 de Setembro, e testemunham o trabalho de proteção de duas figueiritas, que já foram depenicadas este ano. Uma figueira de São João que as cabras comeram, julgo que ainda na primavera, que, entretanto, rebentou e agora completei a proteção que já tinha, reforçando com segunda leva de rede. Por dentro da rede, coloco habitualmente ramos ou troncos secos ou canas, de modo a esconder as folhas verdes, motivo especialíssimo de atração do gado.

As redes, per si, protegem, mas não são totalmente eficazes. As ovelhas pressionam, empurram, levantam a rede por baixo, tentam ultrapassá-la por cima, de modo a alcançarem as folhas e, com esforço e persistência, acabam por conseguir.

É esse trabalho de ação contrária que tenho de executar, contrariando os intentos dos animais.

As fotos mostram as duas figueiritas protegidas, há também uma de pingo - mel e uma amoreira.

Na correnteza das árvores, no lado direito da valeta, também há quatro ou cinco freixos, uma pequena azinheira e um choupo negro.

As fotos documentam genericamente a situação.

Proteção figueiras. Set. 23. original

O aspeto das proteções não parece muito estético, mas o que importa é que seja eficaz!

20230929_105201 (3).jpg

Bons passeios, bons trabalhos de campo, de jardim, boas idas aos ginásios!

Promovem a Saúde e trazem-nos Paz!

 

16
Nov21

Pote da Fortuna e Paisagem circundante!

Francisco Carita Mata

Paisagem primaveril. Foto original. 2021.04.02.jpg

Paisagem relevante enquadrando uma obra de “trash art”!

Tapada. Vista para a Ribeira. Foto original. 2021.04.02.jpg

Em “Aquém-Tejo”, publiquei um postal peculiar sobre “Trash Art”, em plena Natureza.

Azinheira centenária. Foto original. 2021.04.02.jpg

A partir de um comentário de "Maior de Sessenta", que relaciona essa “instalação artística” com outras semelhantes espalhadas pelos mais diversos locais, referi que esse “objeto artístico” está enquadrado num contexto paisagístico deveras interessante.

Espinheiro. Cabras. Foto original. 2021.04.02.jpg

É esse acervo documental que apresento neste postal em “Apeadeiro”.

As fotos são de dois de Abril, deste ano. Um contexto de tempo bastante diferente do atual: Primavera - Outono!

Mas as paisagens enquadram o local onde está o célebre "Pote"!

A flor seguinte, de um lírio campestre (?), estava bem próxima do dito cujo.

Lírio campestre. Foto original. 2021.04.02.jpg

Tal como o muro que se segue.

Muro tradicional. Foto original. 2021.04.02. jpg

Muros destes são para preservar. Contrariamente a outros que são de destruir.

Observe as técnicas construtivas com escassos materiais e todos naturais.

E estas "meninas", "Cabras Sapadoras" eram presença habitual no espaço.

Cabras sapadoras. Foto original. 2021.04.02.jpg

E nem imagina a sonoridade dos chocalhos! Gravei, mas não consigo transpor para o blogue.

Espero que tenha apreciado as paisagens. E Obrigado!

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D