Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Apeadeiro da Mata

Apeadeiro da Mata

15
Nov23

“Gatos dos meus Quintais XXI”

Francisco Carita Mata

Riscadinho e Du - Dú. Original. Nov.23

Crónica… sobre ausências!

Ontem, consegui ainda publicar dois postais, um em cada blogue, mesmo ao final do dia. Já bem de noite!

O que publiquei em “Apeadeiro da Mata” foi sobre os “Gatos dos meus Quintais – XX”!

Na foto inicial, não muito boa em termos técnicos, mas por demais sugestiva como documento, surgem Gil e os dois sobrinhos: Riscadinho, a quem Gil “cumprimenta” com afeto e um pouco mais distante – Du-Dú, observando.

E porque é documentalmente importante esta foto?! (...)

Na semana passada, estivemos ausentes das lides campestres, das vivências aldeãs. (Em incursões (sub)urbanas.)

Regressámos Domingo e indo aos quintais, ao findar do dia, estranhámos a ausência da gataria. Apenas apareceu “Dona Maria Eduarda” – Mi-Dú!

Que seria feito dos filhotes, Du-Dú e Riscadinho, agora já jovens adultos?! E do Gil?! Como se terá desenrascado?! Será que continua vivo? Ter-se-ão ausentado procurando outros locais de amesendação?!

Pelo sim pelo não, deixei a gamela da comida bem recheada. Na segunda-feira veria…

E, na 2ª feira, a gamela estava vazia! Mas nada garantia que fossem os gatos “amigos” que tivessem comido o manjar. Há por aí muitos mais, vadios! E só quem apareceu novamente foi Dona Mi-Dú!

Fui para o campo - Quintal, Chão e Vale - em habituais atividades campesinas. Até sol-posto.

Vale de Baixo. Original. 14.11.23.

E, se lhe disser que estranhei. Estranhei bastante a ausência dos bichanos, acompanhando-me nos campos. Questionava-me sobre o que lhes poderia ter acontecido! Que é dos manos?! E Gil, terá sobrevivido?!

No final do dia, já para regressar a casa, no “Quintal de Cima”, surge Riscadinho. Meio esquivo, como habitualmente, mas cirandava perto, corria, procurava paparoca. Bom sinal!

Perguntei-lhe pelo mano, Du-Dú, pelo tio, Gil. Miou, miou muito, mas não entendi o que disse. (Sou um pouco surdo!) Deixei novamente comida.

Ontem, 3ª feira, quando após o almoço fui para o quintal, para continuar as tarefas, aparece também Du-Dú! Foi um feliz reencontro de parte a parte. Este irmão é mais afoito que Riscadinho.

E, brincando os dois, foram-me acompanhando até ao Chão, até ao Vale e por ali andaram comigo, enquanto fui trabalhando. Exploraram o ambiente. Caçaram…

Riscadinho e Du - Dú. Original. Nov.23

Ao findar as tarefas, no retorno, lá voltaram eles também ao quintal. Comeram, que novamente lhes dei da ração especial. Descansaram, velaram, em cima do murete da antiga pocilga, enquanto eu fazia outras tarefas. (Foto inicial.)

O findar do dia, aproximando-se o ocaso, perspetivava lindas fotos.

Pôr do sol. Foto original. Nov.23.

O Sol já se esconde muito mais a Sul. Não proporcionando vistas tão interessantes no Chão da Atafona, fui tirar fotos ao adro da Igreja Matriz.

E, não é que, já depois das dezassete e trinta, ao abrir o portão do Quintal, me deparo com o Gil?!

Gil e sobrinhos. Original. 14. Nov. 23

Eu e os sobrinhos! Pois que a reação dos animais denotava que já não se veriam há algum tempo!

Por onde terão andado nestes dias de ausência?!

E, é possível animais e pessoas sentirem as respetivas ausências?!

 

15
Out23

Um postal que não gostaria de escrever… (Gatos do Quintal - XVIII)

Francisco Carita Mata

Mas que vai ter de ser escrito!

Gil. original 04.03. 23

Gatos do Quintal XVIII – Crónica de tristeza e desalento!

Gil. original 14.03. 23

Não gostaria de escrever, porque encerra duas notícias desagradáveis.

Gil. Original. 07.05.23.

O gato Gil, um dos protagonistas que deambularam por estas crónicas sobre “Gatos do Quintal” anda desaparecido há oito dias! O que, dado o historial dos irmãos – Ricardina, em Julho e Bart, em Abril – não mais aparecerá.

E, não aparecerá, porquê?! Presume-se, deduz-se que terá morrido!

Mas de “morte natural”?! Duvido completamente. O mais certo é ter sido morto.

Propositadamente?! Provavelmente não! Alguma armadilha colocada nos campos, para “apanhar” outros bichos. E, os gatos… exploradores e curiosos como são, nelas terão caído.

Isto é o que eu imagino. Que não sei nada sobre o assunto. Não vi. Não sei! Mas que as há, há!

Mas este é já o terceiro gato que desaparece! Dos quatro irmãos, apenas resta Mi-Dú e os dois filhos: Du-Dú e Riscadinho, sobrinhos duplamente de Gil!.

E esta é necessariamente a segunda notícia desagradável: Quem terá armadilhado?!

(Não vou escalpelizar mais o assunto. Ponto final.)

Gil e sobrinhos comendo. original. 28.09.23.

Mas que sentimos a falta de Gil, lá isso sentimos! A desenvoltura, a sofreguidão na comida, o afago e simpatia que demonstrava sempre, apesar de lhe chamar “chato”, a companhia que fazia, uma presença tutelar, de guarda, enquanto eu cirandava no Chão ou no Vale. A correria, a subida às árvores a mostrar as habilidades, o instinto caçador, catando, espreitando, atento ao menor ruído e movimento. Lá que caçava pássaros, lá isso apanhava; talvez até os ninhos, é provável; também as lagartixas, nunca mais se viram! Mas também ratos, nunca mais houve nos quintais, nem no palheiro. Cobras também, mas pequenas. Que caçadora de cobras como nenhum, era Ricardina – heroína!

Mi-Dú sempre foi mais recatada. É mais maternal. Julgo que andará novamente de bebé! É para povoar o espaço. Que, agora, só ela e os filhotes.

Gil, Mi-Dú, Du-Dú, Riscadinho. Original. 28.09.23.

Destes, Du-Dú tenta imitar o tio Gil, mas ainda não consegue. Esperemos que se afoite mais e me acompanhe nas passeatas. Também ainda não é adulto. Estará nos cinco meses.

Gil e Du - Dú.  28.09.23.

Mas que sentimos a falta de Gil, lá isso sentimos!

Gato GIL. Foto original. 24.09.23.

É uma sensação de perda, de algo que falta, situação que eu julgaria completamente improvável, há dois anos (2021)! Mas a Vida é uma constante aprendizagem e nada é a preto e branco. Tudo muda e há imensas cambiantes na realidade em que vivemos e que nos cerca.

Neste Mundo atroz, em que as guerras, a destruição, imperam, às mãos dos homens entre si. Que importância tem um gato ser morto, provavelmente numa armadilha?! Mesmo que tenha nome de explorador: Gil (Eanes)!!!

Termino esta crónica desalentada sobre gatos. Para não falar da desumanidade dos seres humanos. Que se matam estupidamente e que destroem tudo o que constroem em guerras atrozes, em que milhares de inocentes morrem, são sacrificados… em nome de quê??!!

*******

Fotos Originais, de minha autoria, para o bem e para o mal! Todas de 2023.

4 Março: Gil, descansando no Caminho.

14 Março: Gil, vigilante, desperto por algum ruído.

07 Maio: Gil, seguindo-me, apanhando-me na passeata.

28 de Setembro: Gil e sobrinhos.

28 Setembro: Gil, a irmã e os filhos desta, seus sobrinhos.

28 Setembro: Gil e sobrinho Du-Dú.

24 Setembro: Gil, deitado, numa postura que lhe era muito peculiar, esfregando-se na areia.

 

 

30
Ago23

Mi-Dú e Du-Dú ou Dudete?!

Francisco Carita Mata

Gatos do Quintal (XVII)

Gatos no telheiro. Foto original. 29.08.23.

(Mi-Dú e Du-Dú, mãe e filho, no telheiro abandonado, do antigo galinheiro. Após terem lanchado comida destinada a quatro, mas que eles comeram apenas os dois. Que Gil andaria em explorações pelos campos e Riscadinho é muito tímido.)

Estes gato(s) e gata(s) que têm deambulado pelos quintais, nestes quase dois anos, são gatos silvestres. Os nomes que titulam o postal são enganadores, nesse aspeto. Não se pense que são gatos de alta escola, de pedigree, aconchegados em lindos palacetes. São gatos de campo, nascidos algures em quintal abandonado, quintais que percorrem, afugentando ratos, caçando também, certamente. E cobras! Nunca tinha visto! Que o dissesse Ricardina, heroína - matadora / lutadora / caçadora de cobra - entretanto desaparecida - Ricardina - já lá vai um mês, em parte incerta.

Mas este deambular de escrita é apenas para lhe apresentar mais duas fotos "instagramáveis" - de 29/08/23 - de Dona Maria Eduarda, conhecida nos meios sociais, por Mi - Dú e seu filho, ou filha (?), Du - Dú, não sabemos se Dudete! 

(Já mostrou o cartão de identidade, mas ainda não consegui perceber, se rapaz, se rapariga.)

Gatos no quintal. Foto original. 29.08.23.

( Mãe e filho/a, novamente. Na parede da antiga pocilga, há muito desativada.)

Assim concluo mais uma crónica sobre gatos dos meus quintais, após mais uma ausência demasiado prolongada dos blogues.

Saúde, Paz e que diminua o calor, que me mata as árvores, que não páro de regar.

 

16
Abr23

Crónica sobre Gatos do meu Quintal (X)

Francisco Carita Mata

Nunca mais soube nada de Bart nem de Mi-Dú!

No último postal, em “Aquém-Tejo”, abordei tema muito do meu agrado. Neste, do “Apeadeiro”, a parte inicial desagrada-me. Nunca mais soube nada dos manos referidos, mano e mana. Já perguntei a vizinhos, mas também não os viram. Que terá sido feito deles?!

Em contrapartida, Gil e Ricardina lá andam pelo “Quintal de Baixo”. Andam, cirandam, amesendam-se, que há muita e variada comida. Gil é muito mais afoito. Acompanha-me no Chão da Atafona, vai comigo para o Vale de Baixo, segue-me pela Azinhaga da Fonte das Pulhas, vai até ao Rescão e, se me disponho, segue-me, acompanha-me, quase nele tropeço, até ao Porcozunho.

O aposento deles, hotel, motel, maternidade, continua sendo o quintal abandonado de “Ti Zé Fadista”, pegado ao “Quintal de Cima”. Onde primeiramente eles se ambientaram e interagiram connosco. Mas fui-os “educando” para não frequentarem esse quintal e estabeleceram-se no “Quintal de Baixo”. No de “Cima”, tenho canteiros, flores frágeis. Não convinha nada que por aí cirandassem.

É do quintal abandonado que partem, de manhã, quando me dirijo ao “Quintal de Baixo”, com alguma comida.

Mal chegam, espojam-se, esfregam as costas na terra, viram-se de barriga para cima, numa atitude de disponibilidade, de simpatia, de entrega, entendo eu, porque, ao agirem desse modo, colocam-se numa situação de completo à vontade, sem defesas, confiantes na reciprocidade de afeto, porque ficam, obviamente, numa posição totalmente vulnerável. Ao longo do dia, e se eu continuar pelo quintal, repetem estes gestos várias vezes, sinais de completa confiança com a minha pessoa. Digo eu, que não percebo nada de gatos, estou observando e tentando entender estas atitudes dos animais. Ainda não chegámos à situação de festas, que não sou nada afoito, nem tenho muita confiança… Alguma arranhadela! Mas Gil, enrosca-se-me nas pernas com a cauda, que receio pisá-lo.

Voltando ao “Quintal de Cima”. Tenho andado por lá, a regar, arrancando ervas, tratando das plantas, que semeei e abacelei. Passo aí várias horas, pelas tardes. No ano passado, enquanto aí andava, eles eram minha companhia. Nos muros, nos telhados do cabanal do Ti Zé, em correria pelos talhões das plantas e arbustos. Isto, antes dos ensinamentos do “processo educativo”. Agora, nestas minhas permanências de atividades de jardinagem, pura e simplesmente não aparecem. Ausentaram-se. Aprenderam certamente, pelo menos, eu quero crer que é assim.

Mas, na semana passada, numa das tardes que por lá estive várias horas, ao terminar as atividades, já sol-posto, onde venho encontrar Gil e Ricardina?!

Pois, no exterior, no cruzamento das azinhagas, lá estavam os manos! Esperando-me?! Velando-me, à distância?! Não sei! Mas quero crer que sim!

P.S. – Se em 2020, me dissessem que eu andaria a tratar de gatos, a interessar-me por estes animais tão peculiares, eu talvez dissesse: “Tal há-de ser a parvoeira!” Mas a Vida é assim!

Quanto às sementeiras e abacelamentos do Outono passado, informo que várias azinheiras, carvalhos, sobreiros, espargos, gilbardeiras, roseiras, estão germinadas e rebentadas. Das do ano passado também várias plantas estão consistentes. Agora, e no futuro, há que manter o que vingou. E, regar. Regar, que o tempo está péssimo. Que este calor, ainda que o pessoal deste meu querido País ache que é só praia, sol e maravilhas, para quem trabalha e vive dos campos, este Abril, com calor de Junho, é muito mau. E, diz-se que “Em Abril, águas mil!”

Saúde, Paz e que venha chuva!

 

01
Mar23

Os Gatos do meu Quintal (VIII)

Francisco Carita Mata

Gil na Fonte. Foto Original. 25.02.23.

Estórias de gatos… e fotos.

Gil e Bart no Porcozunho. Foto original. 26.02.23.

Os gatos também nos oferecem prendas??!

Quando ando pelo Chão da Atafona, os dois manos, como habitualmente, circulam por ali numa ciranda. Deitam-se, rebolam, põem-se a olhar-me, descansam no telheiro da antiga pocilga, sobem às oliveiras. Em suma, fazem-me companhia e a modos que têm consciência desse papel, que não desandam enquanto eu por ali ando a fazer qualquer coisa de maior ou menor préstimo.

Na tarde de onze de Fevereiro, a dado momento, observo um deles, depois os dois, deitados, esticados, olhando fixamente para determinada localização rente ao solo, na posição típica dos felinos, à espreita de uma qualquer presa. Que eu ignorava o quê, o quer que fosse.

Não me aproximei, não quis espantá-los. Fui-me embora, que dera por findas as minhas lides no campo.

Espantado fiquei eu, quando no dia seguinte, doze de Fevereiro, ao chegar ao local da respetiva amesendação, vejo um pequeno animal, o que a foto mostra. Uma toupeira!

Toupeira. Foto original. 12.02.23.

Fora o resultado da respetiva caçada de final de tarde no dia anterior. Caçaram duas, que, mais tarde, descobri outra.

Porquê caçar, não comer e deixar no local de restauração habitual?!

(Alguém mais entendido nestas coisas de gatos, do que eu, me disse que os animais é como se nos “oferecessem” essa “prenda”. Será?!?!)

Coisas de gatos. Estórias de gatos! E uma gata.
*******

Das fotos, apenas a terceira diz respeito à estória.

A 1ª foto, de 25/02/23, é o Gil. No muro da “Horta do Miguel”, junto à “Fonte das Pulhas” e à “Ribeira do Porcozunho”. Também se observam os “painéis solares”. E o Gil está naquela posição exploratória, tão peculiar de felino.

A 2ª foto documenta os dois manos, Gil e Bart, a 26/02/23, nos terrenos fronteiros à Ribeira do Porcozunho e Fonte das Pulhas.

A 3ª foto é da toupeira!

*******

Mano e mana. Foto original. 04.02.23.

A 4ª e 5ª foto são de 4 de Fevereiro. Numa tarde em que a mana Ricardina também se aventurou numa surtida exploratória, mas apenas até às paredes do “Vale”.

Mana Ricardina. Foto original. 04.02.23.

Na 6ª, o mano e a mana petiscando, após a caminhada.

Mano e mana comendo. Foto original. 04.02.23.

E a 7ª estão os quatro manos amesendando-se, a 14 de Fevereiro. O quarto – mano ou mana (?) - nunca mais vi. “Dia de Namorados”… Terá arranjado companhia?! 

Quatro manos. Foto original. 14.02.23.

*******

(Quero frisar que este “conhecimento” identitário dos bichos e respetivo “batismo” é relativamente recente. Terá sido aí pelo findar do Carnaval, início da Quaresma - dias 20 / 21 /22 de Fevereiro, que comecei a identificá-los melhor. Embora, por vezes, ainda tenha alguma dificuldade em distingui-los.)

 

 

06
Mar22

A Caminho do Carrasqueiro!

Francisco Carita Mata

A saga de Joaquim Pedro Dias – 4º Capítulo!

E da Casa que ele mandou construir para a Srª Conceição “Cega”.

Uma Casa com História!

 

 

Este casal, para todos os efeitos eram um casal, Joaquim Pedro “Cego” e Conceição “Cega”, juntavam-se com o Ti Domingos “Cego”, também cego de ambos os olhos, a caminho da Horta do Carrasqueiro. E dizia o povo, segundo me contou a minha Mãe, que lhe contava a sua Mãe, minha Avó: “Lá vão três pessoas guiadas por um olho só”. Que apenas a Srª Conceição via de um olho!

 

(Esta Srª Conceição “Cega” era tia da Srª Maria de Matos, cuja mãe morou na “Casa” referida, até a tia morrer. Ou seja, enquanto esta teve o usufruto da mesma. Era a Srª Maria de Matos cachopa. Depreendemos que nos estaremos a referir, sensivelmente, aos anos trinta do séc XX.)

 

Esta Casa que Srª Conceição “Cega” teve de usufruto até morrer, provavelmente anos trinta ou inícios de quarenta do séc. XX, transitou por herança para D. Alice, 2ª sobrinha do Srº J. P. Dias.

Esta senhora e o marido venderam-na ao Srº João Mocho.

Este senhor queria instalar uma taberna, mas pretendia uma zona mais central, o que não acontecia com a “Casa”, que fica no limite Norte de Aldeia.

Então, o Srº João Mocho trocou a “Casa” com a que o “Ti Manel Henriques” tinha no centro da Localidade, na Rua principal, na “Baixa”. No local onde é a “garagem do Marques”. Bem no centro, à época. Anos quarenta?! A Mãe ainda se lembra da taberna aí, no centro da Aldeia!

O “Ti Manel Henriques” vivia na Cunheira, vindo periodicamente a Aldeia, cuidar dos terrenos. Vinha de carroça, puxada por uma mula. Ficava na “Casa”, no rés do chão. Nas traseiras da casa tinha o “palheiro”, onde ficava o muar. Manteve o 1º andar e as sobrecamas alugadas. Chegaram a habitar três moradores na “Casa”, que chegou a ter quatro entradas. Uma para a Rua Larga, utilizada pelo dono. E três entradas para a Travessa. A principal, para os rendeiros e no rés do chão, com entrada para a Travessa, o Mestre João Surrécio teve oficina de sapateiro. E a entrada para o “palheiro”.

Estamos a falar dos anos cinquenta e sessenta do séc. XX.

Lembro-me muito bem do “Ti Manel Henriques”, anos sessenta. Não me lembro da oficina de sapateiro, mas recordo-me perfeitamente de haver diferentes rendeiros no primeiro andar, nessa mesma década. Longe de imaginar que esta seria a “Casa” que nos viria a pertencer e onde viríamos a habitar, a partir de 1975. Os Pais compraram-na em 1974. Nesta altura já não havia rendeiros na Casa, que a pressão habitacional já havia refreado, pois muita gente já saíra da povoação, tendo migrado para as “Lisboas”, na década anterior!

E, por agora, mantenho “em banho-maria” a saga, que ainda saberei sobre “escritos” nas Hortas do Carrasqueiro e provavelmente também de Sampaio!

(E escreverei sobre "Ti Domingos Cego".)

Muito Obrigado por nos seguir até aqui. Muita Saúde. E Paz!

 

05
Mar22

Sobre o Sr. J. P. Dias… ainda!

Francisco Carita Mata

Sobre o Sr. Joaquim Pedro Dias: 3º Capítulo

Narrativa sobre um Srº muito peculiar de Aldeia da Mata!

 

Este senhor viveu, em Aldeia da Mata, na segunda metade do séc. XIX e certamente primeira vintena do séc. XX, como já referimos em postais anteriores.

Neste postal nº 50, continuamos as narrativas sobre este personagem de Aldeia. Baseamo-nos na recolha oral efetuada junto de “D. Maribela”, minha Mãe, que já nasceu depois da morte deste senhor, que nunca conheceu, mas sobre quem ouviu contar várias estórias. Era cego dos dois olhos, possuidor de muitas propriedades, Lameira de Cima, Cujancas, Sampaio, Arretalhado, … E era solteiro, embora tivesse uma governanta, também “namorada”.  Não tiveram filhos, de modo que os herdeiros dele foram os sobrinhos, filhos da irmã, D. Francisca Valério, sobre quem escrevemos em postal anterior.

(O Srº Tavares, a D. Beatriz e D. Genoveva, os três solteiros. D. Joaquina, casada com Srº João Calado Machado, o “Sr. Machadinho” e D. Maria, mulher do Srº João Lopes. Foram os herdeiros.)

 

Foi ele que mandou construir a casa, que atualmente é nossa, em 1911, para a sua governanta, a Srª Conceição “Cega”, que era cega de uma das vistas. Na frontaria da casa também deixou a sua marca identitária: J: P: D: e respetiva datação 7 4 1911.

Ele morava na casa atualmente da Prima Maria Constança que delimita e inicia a Travessa do Fundão, a Sul. A nossa, a Norte. Ambas na Rua Larga.

Na sua casa também tem datação, na antiga adega: J P D 3 900.

 (São estas datas: 1900, 1901 e 1911, que me permitem inferir sobre espaço temporal de respetiva vivência.)

O Sr. J. P. Dias, que também era cego dos dois olhos, cegou na sequência da rebentação de um tiro de pedreira. Um buraco ficara encravado com a pólvora que não rebentara, quando os cabouqueiros tentavam partir pedra, para construir o monte de Sampaio. No dia seguinte, ele tentou desencravar com um prego grande de ferro e a pólvora rebentou. Assim ficou cego.

A Srª Conceição “Cega” ficou com a casa em usufruto até morrer. Após o seu passamento a casa reverteu para os herdeiros naturais de J. P. Dias. No caso, D. Alice, já 2ª sobrinha, filha de D. Maria e de Srº João Lopes. Esta senhora estava casada com o senhor António Matias. Viviam em Monte da Pedra. (Fui a casa destes senhores algumas vezes, na segunda metade da década de sessenta, acompanhando o Sr. Padre José Maria, quando este ia celebrar missa aos domingos ao Monte da Pedra, pois eu era o sacristão. Estes senhores, por vezes, convidavam o prior para petiscar. Tinham grandes lumes no Inverno, onde assavam chouriços e cacholeiras, num espeto, à borralheira. Para mim, à data, ultrapassava completamente a minha realidade e imaginário!)

 

Voltando à narrativa fundamental… que isto da “conversa é como as cerejas”…

O Srº Joaquim Pedro Dias também terá deixado marca identitária na Horta de Sampaio?! Hei-de perguntar ao atual proprietário.

 

Também contarei ainda mais uma narrativa sobre este senhor e outra horta que também era sua: a “Horta do Carrasqueiro”. A Mãe informou-me que aí também há “escritas”. Algo a pesquisar e confirmar “in loco”.

 

Obrigado por nos acompanhar nestas narrações. Muita Saúde. E Paz!

 

05
Fev22

E a Luz venceu a Escuridão!

Francisco Carita Mata

Colocação da lâmpada no poste do “Quintal de Doutor Agostinho”!

Luz venceu escuridão. Foto original. 2022.02.01.jpg

Não, não é uma crónica sobre o mítico Estádio da Luz, lá para os lados da Estrada da Luz, mas onde parece imperar, de facto, a escuridão!

Estava eu no remanso do ancestral “Chão da Atafona”, alindando um canteirão do jardim, do meu escritório campestre. Isto, no dia um de Fevereiro, véspera do “Dia da Senhora das Candeias”, também nomeada “Senhora da Luz”!

Apercebendo-me de alguma movimentação para os lados do “Quintal de Doutor Agostinho”, qual não é o meu espanto e contentamento, quando observo um indivíduo alcandorado no célebre poste do dito quintal, já por diversas vezes referenciado nos blogues a que me dedico.

Colocação lâmpada. Foto original. 2022.02.01.jpg

“E fez-se luz”! Estavam a instalar um candeeiro de iluminação no poste, conforme vimos requerendo há algum tempo. Aleluia! É mesmo o efeito da “Senhora da Luz”!

Excelente! A situação merece ser documentada, pensei. Fui a casa buscar o telemóvel. Entretanto falei com os profissionais que estavam tratando do assunto, fotografei, pedi autorização ao jovem que estava colocando o candeeiro e respetiva lâmpada, para publicar foto. Que autorizou. Uma das que documenta o postal. Ao início da noite, fui verificar o local iluminado. Outra foto documental, a que o titula.

E agora?!, dir-me-ão. É só uma lâmpada! É verdade. Mas contraponho: uma caminhada faz-se com o primeiro passo.

E o que se diz quando nos fazem alguma coisa que pedimos? Pois… Muito Obrigado. Obrigado, é sempre uma palavra muito bonita, que devemos usar com frequência.

Os meus agradecimentos a todas as Entidades competentes que diligenciaram nesse sentido: Autarquias - Câmara Municipal de Crato, Junta de Freguesia de Aldeia da Mata, Proteção Civil, Empresa que instalou a lâmpada. “Visabeira” figurava na carrinha em que se deslocaram os trabalhadores. Agradecimento a estes profissionais, com especial realce para o jovem que se alcandorou ao poste, conforme fotografia. Sem o seu trabalho nada feito. Muito obrigado. Grato também aos Vizinhos que também se interessaram e colaboraram e aos Matenses que, em cargos específicos, deram o seu contributo.

E, novamente…. Só por uma lâmpada?! … Uma caminhada faz-se com o primeiro passo.

E, ainda para as Entidades competentes: Agora, é preciso arranjar esse “entroncamento” da Azinhaga do Poço dos Cães com a Azinhaga da Atafona / Travessa do Fundão.

E votos de muita Saúde, para todos e também, especialmente para si, Caro/a Leitor/a.

 

01
Out21

Dia Internacional da Música 2021

Francisco Carita Mata

CATS: “Lembranças…

1 de Outubro de 2021

CATS musical.jpeg

Hoje, neste postal, estabeleço uma ligação para outro de Aquém-Tejo, com uma crónica sobre CATS. Espetáculo a que assistimos, no Campo Pequeno, vai fazer sete anos.

Que Saudades temos de assistir a um bom espetáculo musical.

Enquadro este postal em Apeadeiro. Poderia tê-lo estruturado em Aquém-Tejo e o tema que publiquei neste, tê-lo divulgado no Apeadeiro. Mas não me lembrei.

Ter dois blogues proporciona a vantagem de publicar dois postais no mesmo dia.

Coisas que tenho vindo a aprender, com outros e outras “colegas de ofício”!

A divulgação desta crónica, CATS, também me surgiu na sequência de postal de “Poetaporkedeusker”.

Este postal é uma lembrança do "Vale", onde para além da passarada, oiço o rumorejar do vento no canavial!

Canavial no vale. Foto original. 2021.07.21.jpg

Obrigado a todos/as. Muita Saúde.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D