Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Apeadeiro da Mata

Apeadeiro da Mata

18
Dez22

Achou piada. Riu-se!

Francisco Carita Mata

As tempestades sobrevêm quando menos se espera!

Muro caído. Azinhaga da Atafona. Foto Original. 16.12.22.

Em ambos os blogues, tenho pugnado por melhorar aspetos da minha Aldeia. Tanto com as entidades públicas, como com as particulares. Quando uns ou outros podem, as “maleitas” resolvem-se. Dentro das possibilidades de cada entidade. Nem sempre é possível colmatar todos os aspetos e de forma imediata. Compreende-se.

(Para além de estar sempre a divulgar e valorizar o Património de Aldeia da Mata. O material e o imaterial.)

Um dos aspetos, em que tenho batido na tecla, tem sido sobre o arranjo do “cruzamento” Travessa do Fundão - Azinhaga da Atafona – Azinhaga do Poço dos Cães.

Têm feito o que podem, dentro dos condicionalismos de que dispõem. Mas já se sabe, sempre que chove, a gravilha escorre e vai parar ao “Vale de Baixo”.

Mas há situações que têm mesmo de ser os particulares. Os Herdeiros de Dr. Agostinho providenciaram algo que poderia servir de exemplo para o que deveria ser feito em todo o espaço.

Gravilha arrastada. Muro a cair. Foto original. 15.12.22.

Na foto anterior, pode verificar-se nesse caminho, que no lado direito da foto, o muro é de pedra solta. Várias vezes tem vindo a cair e há pedaços que ameaçam derrocada.

Gravilha arrastada. Muro a cair. Foto original. 16.12.22.

Em Agosto, pleno Agosto de calor, sem chover há meses, o proprietário desse Chão andava atarefado em arranjos e mudanças na casa que tem junto à Ermida. Somos jovens da mesma idade, tirámos sortes no mesmo dia, em Évora, num ano distante que já não me lembro quando!

Aproveitei para lhe sugerir que arranjasse o muro de pedra solta, que ameaça cair o resto. Que parte tem vindo a ruir. Algumas pedras já arrumei. Falou-me que para a Páscoa! (Não sei qual Páscoa, que nestas coisas nunca sabemos!)

Frisei que podendo vir alguma tempestade, chuvas e ventos, facilmente aquelas pedras cairão. Passa por ali gente todos os dias, eu, várias vezes por dia.

Achou piada! Riu-se. Foi natural a reação. Em Agosto, pleno Agosto, seca de vários anos e calor infernal, quem vislumbraria tempestades invernosas?!

Pois nem passaram cinco meses. E as tempestades vieram! E o muro de pedra solta, não tendo ainda caído, é certo, mas caiu parte de outro, na mesma propriedade e do mesmo dono. A foto que abre o postal regista o ocorrido.

(Que isto de tempestades chegam quando menos se espera! Já tenho referido a ocorrida em Dezembro de 2019, de 19 para 20 do mês. Peculiar: 19 para 20 do mês, de 2019, para 2020! Chamava-se "Elsa"!

Também me lembro dos efeitos de um ciclone, que provindo de Oeste para Leste, correu o Vale da Ribeira das Pedras, direito à Baganha e Tapada do Sabugueiro, deixando um rasto de destruição, sobreiros e azinheiras arrancados de raiz. Felizmente não atravessou a povoação.

Não sei exatamente a datação, mas terá sido pelos anos oitenta ou noventa do séc. XX.?)

Obrigado pela atenção. Saúde. Paz. Feliz Dezembro. E menos chuva!

 

15
Set22

Finalmente a Chuva! Abençoada Chuva!

Francisco Carita Mata

A bendita Água voltou!

(Também em Aldeia da Mata!)

Bendita, para os locais onde não fez estragos. Que isto da chuva, mesmo quando desejada, mal chega, começa logo a enfadar. Mas é por demais necessária. Nalguns locais fez das suas. Em Manteigas, em plena Serra da Estrela, foi o que se viu.  Uma consequência direta dos incêndios de Agosto. Incêndios, principalmente em zonas serranas, mal vêm as primeiras chuvas, logo ocorrem as enxurradas a jusante.

Aqui para os meus lados e na minha Aldeia e nos espaços que conheço e percorro, também a ocorrência habitual.

O “cruzamento” no topo Oeste da Travessa do Fundão, onde esta entronca com a Azinhaga da Atafona e dá seguimento à Azinhaga do Poço dos Cães está como pode ser verificado in loco. A gravilha, terra, entulho, foi quase tudo arrastado pela força das águas, com estas chuvadas destes últimos dias.

Também já sabemos que foi parar ao Vale de Baixo, onde fez enxurrada. É o trivial.

Solução?! A que já tenho apresentado há anos.

Uma intervenção duradoura, de preferência com alcatrão, que cubra esse “cruzamento”, a parte da Travessa do Fundão não calcetada e toda a Azinhaga do Poço dos Cães até ao adro de São Martinho.

Não fazer a solução de remedeio usual: a gravilha. Mais do mesmo. Nas chuvas sequentes toda a gravilha abala.

Para operacionalizar esta obra terá de haver articulação entre as Autarquias: Junta de Freguesia de Aldeia da Mata e Câmara Municipal do Crato.

Provavelmente terá de ser uma obra faseada. Primeiro o “cruzamento” e depois as Azinhagas. Mas terão de equacionar solução para este problema, orçamentando-o.

Certamente este ano civil ainda terão de remediar com gravilha. Mas poderão e deverão prever este trabalho para próximo ano civil. É uma obra que tarda há anos. Dezenas!

Colocar "grelhas" para escoamento das águas em vários pontos nevrálgicos.

Mas todos estes aspetos os responsáveis sabem melhor que eu, que não tenho pretensão de me sobrepor a ninguém. Contudo sou eu que transito naqueles espaços todos os dias. É aos meus terrenos que a terra vai desaguar todos os anos.

Mas esta obra só me irá beneficiar a mim?!

Claro que não! Todos os dias por ali passam outros vizinhos. Uns a pé, outros em carros ou em camionetas. E toda a Aldeia beneficiará.

E se essas Azinhagas fossem iluminadas, tanto melhor!

E, a talho de foice, os célebres quintais abandonados no topo norte da Rua Larga, são ou não limpos?!

Saúde. Paz. E grato pela atenção.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D