Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Apeadeiro da Mata

Apeadeiro da Mata

17
Dez21

Casa-Museu - Aldeia da Mata

Francisco Carita Mata

Sugestões!

Votos Natalícios.

Uma Visita inesperada?!

Coroas Natalícias na Casa. Foto Original. 2021.12.12.jpg

Já apresentei várias vezes imagens exteriores da Casa-Museu de Aldeia da Mata. Tanto em Aquém-Tejo, como em “Apeadeiro da Mata”. As últimas foram em “Apeadeiro”.

Hoje, volto a documentar este singelo, mas peculiar e sentimental monumento. Agora, com uma renovada “coroa natalícia”! Original e com elementos vegetais autóctones.

Já não visito há algum tempo. Visitarei um destes dias e mostrarei algumas fotos.

Hoje, nas fotos, comparo as coroas.

Porta Casa Museu. Foto original. 2021.12.01.jpg

Algumas sugestões:

Coroa natalícia. Foto Original. 2021.11.30.jpg

A Casa-Museu deveria ter um horário de visita definido. Não é preciso ser para todos os dias. Não precisa estar afixado na Casa, mas na Junta. Ser público. Estar disponível online. Não é necessário estar uma pessoa presente na Casa, nesse(s) dia(s). Basta que se saiba que, havendo visitantes, alguém está disponível para acompanhar na visita. Disponibilizar marcações online.

Figurar também em "Brochuras e Roteiros" Turísticos.

Coroa natalícia. Foto original. 2021.11.30.jpg

Aproveito para desejar um Santo e Feliz Natal, a todos os meus Conterrâneos, Amigos e Familiares, a quem não o possa expressar pessoalmente.

A todos/as Leitores/as, Visitantes, deste meu blogue, também um Santo e Feliz Natal!

Muito Obrigado e Votos de Muita Saúde

E, no final, uma surpresa.

Cabrinha Sapadora. Foto Original. 2021.12.12.jpg

Uma visita inesperada à Casa- Museu?!

 

03
Out21

Lengalenga do Primo "Macarrão”!

Francisco Carita Mata

Estação_de_Vale_do_Peso in. Wikipédia.jpg*

«Esta noite pus a forja a trabalhar

E fartei-me de dar ao fole

Para a empreitada acabar

Fiz 1 milhão de granadas

Para combater o frio

Eu fabriquei um navio

De 50 mil toneladas

Fiz 700 mil enxadas

Fiz 501 foices

E todo o artista que se afoite

A descer do céu à terra

Fiz 10 mil tanques de guerra

Esta noite à meia-noite

Fiz um cilindro apropriado

Para cilindrar estradas novas

Fiz milhares de peças novas

E fiz um carro blindado

Eu forneci bem o estado

De armas e chão de ar

Fiz um navio para navegar

E fiz um comboio de correio

Para o bode não ficar feio

Pus a forja a trabalhar

Fiz 10.000 aviões

Todos de 4 motores

Fiz 50 mil tratores

Fiz 18 mil canhões

Fiz 7 mil enxadões

Para quando a terra estiver mole

Só quando nascer o sol

É que amadornou um pouco

O carvão era choupo

E eu fartei-me de dar ao fole

Para a empreitada acabar

Fiz 700 mil relhas

Fiz colunas e gargantas

Aivecas fiz outras tantas

Fiz cangas para as parelhas

Fiz cancelas de ovelhas

Fiz 100 marrons

E 1000 cunhas

E fartei-me de dar às unhas

Para a empreitada acabar

*******

O Primo Macarrão está na casa dos oitenta e cinco e sabe esta lengalenga de cor.

Macarrão?! Sim. É assim que é conhecido. Macarrão é alcunha.

Aprofundaremos mais este assunto em próximo postal.

 

(Ilustro com uma imagem da Estação Ferroviária de Vale do Peso, in. Wikipédia.

Estação bem bonita, perto de onde habitamos, mas que nunca fomos visitar. Ninguém é perfeito!)

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D