Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Apeadeiro da Mata

Apeadeiro da Mata

01
Fev23

O Apelido Carita e o Chamiço.

Francisco Carita Mata

A Trisavó Rosa!

Roseira da Avó Rosa. Foto Original. 14.05.22.

Quando publiquei postal sobre o apelido Carita e o Alto Alentejo, propus-me divulgar algumas narrativas sobre a origem, melhor, relacionamento, entre este apelido e a aldeia do Chamiço.

A minha Avó, Rosa Carita, sempre contara que a Avó dela vivera nessa aldeia e fora uma das últimas pessoas que lá haviam vivido. (Cabe aqui um parêntesis para mencionar que essa minha Avó Carita foi uma das motivações para eu utilizar no pseudónimo este apelido. Uma homenagem ao seu pendor narrativo. Que ela sabia, conhecia e contava-me imensos contos populares. Eu, criança, pedia-lhe sempre mais contos e estórias, até lhe esgotar a paciência.)

Contava ela que a sua avó aí vivera, tendo vida de lavoura. Mas a povoação foi sendo acometida por salteadores que roubavam e ameaçavam os poucos moradores. A situação tornou-se cada vez mais perigosa, sendo que, numa noite, os ladrões lhe assaltaram a casa, apernaram os criados, a ameaçaram de morte, a roubaram. Face à situação que se tornou insustentável, acabou por abalar para Aldeia da Mata.

(Contava, a minha Avó, que os salteadores vinham mascarados, mas um dos criados da sua avó conseguiu puxar a máscara de um dos meliantes e reconhecê-lo e saber de que localidade era. A Avó disse a terra, mas não vale a pena referir tal facto, ocorrido cerca de meados do século XIX.)

(Não é de somenos referir que a primeira metade do séc. XIX foi de grande turbulência, daí advindo grande insegurança por todo o país. Lembremos a “Guerra das Laranjas”,1801, em que ocorrências militares de diversos níveis aconteceram em toda a região norte alentejana. Depois as invasões francesas, 1807, 1808, 1810, a fuga do rei, a vinda e permanência dos militares ingleses, a revolução de 1820, a guerra civil entre liberais e absolutistas e mais uma série de revoltas populares pelas cinco décadas iniciais do século.)

Mas não é isso que importa. Todavia, não é de somenos frisar que essa insegurança, falta de autoridade do Estado, teve influência na disseminação do banditismo, infundindo medo nas populações, nomeadamente as mais desprotegidas, em localidades mais pequenas, como era o Chamiço. Tudo isso terá contribuído para o acelerar do respetivo despovoamento.

Deixemos a questão nacional e foquemo-nos na saga familiar da senhora Carita.

Na verdade, o apelido era do marido - João Carita. A lavradora chamava-se Rosa de Matos. Tiveram três filhos: Maria Conceição Carita, minha bisavó; Manuel Carita e Francisco Carita, que casou com a célebre Tia Maria de Sousa. Este casal teve apenas um filho, o Dr. João Carita de Sousa, médico, que faleceu muito novo, com trinta e um anos, por volta de 1930.

Sendo este casal, lavradores de muitas posses e não tendo deixado herdeiros, foram os bens divididos pelos vários familiares Carita, tanto os de Aldeia, como os do Monte da Pedra. Que foram muitos mais dos que mencionei, pois havia vários ramos de Carita.

Voltando agora ao tempo presente. No ano passado, 2022, a Prima Arlete Carita, também trineta da citada lavradora “Carita”, bisneta de Manuel Carita, deu-me fotocópia de um excelente texto sobre o Chamiço, que eu desconhecia, de autoria de Prof. Manuel Subtil, publicado no Jornal “A Mensagem”: “O Chamiço, antiga freguesia do Priorado do Crato”.

Aí também se aborda a história da familiar Carita. Publicarei o texto, em capítulos. Também divulgarei outras referências ao assunto, a partir de Etnografia Portuguesa, de D.or J. Leite de Vasconcellos.

*******

(Notas: As informações sobre os ascendentes Carita, obtive-as nos anos setenta do séc. XX, junta da Avó Rosa (1893 – 1978) e do seu irmão, Tio João Carita Valério (21/05/1897 - 1971).

A foto, original, de 14/05/22, é de Roseira branca, no Quintal de Cima. É proveniente de planta que existia no quintal da minha avó. Já a temos no local, há quase cinquenta anos. Veio de rebento - ladrão, a partir da original. Quantos anos terá efetivamente? Quem sabe se não terá também vindo do Chamiço!!??)

 

05
Mar22

Sobre o Sr. J. P. Dias… ainda!

Francisco Carita Mata

Sobre o Sr. Joaquim Pedro Dias: 3º Capítulo

Narrativa sobre um Srº muito peculiar de Aldeia da Mata!

 

Este senhor viveu, em Aldeia da Mata, na segunda metade do séc. XIX e certamente primeira vintena do séc. XX, como já referimos em postais anteriores.

Neste postal nº 50, continuamos as narrativas sobre este personagem de Aldeia. Baseamo-nos na recolha oral efetuada junto de “D. Maribela”, minha Mãe, que já nasceu depois da morte deste senhor, que nunca conheceu, mas sobre quem ouviu contar várias estórias. Era cego dos dois olhos, possuidor de muitas propriedades, Lameira de Cima, Cujancas, Sampaio, Arretalhado, … E era solteiro, embora tivesse uma governanta, também “namorada”.  Não tiveram filhos, de modo que os herdeiros dele foram os sobrinhos, filhos da irmã, D. Francisca Valério, sobre quem escrevemos em postal anterior.

(O Srº Tavares, a D. Beatriz e D. Genoveva, os três solteiros. D. Joaquina, casada com Srº João Calado Machado, o “Sr. Machadinho” e D. Maria, mulher do Srº João Lopes. Foram os herdeiros.)

 

Foi ele que mandou construir a casa, que atualmente é nossa, em 1911, para a sua governanta, a Srª Conceição “Cega”, que era cega de uma das vistas. Na frontaria da casa também deixou a sua marca identitária: J: P: D: e respetiva datação 7 4 1911.

Ele morava na casa atualmente da Prima Maria Constança que delimita e inicia a Travessa do Fundão, a Sul. A nossa, a Norte. Ambas na Rua Larga.

Na sua casa também tem datação, na antiga adega: J P D 3 900.

 (São estas datas: 1900, 1901 e 1911, que me permitem inferir sobre espaço temporal de respetiva vivência.)

O Sr. J. P. Dias, que também era cego dos dois olhos, cegou na sequência da rebentação de um tiro de pedreira. Um buraco ficara encravado com a pólvora que não rebentara, quando os cabouqueiros tentavam partir pedra, para construir o monte de Sampaio. No dia seguinte, ele tentou desencravar com um prego grande de ferro e a pólvora rebentou. Assim ficou cego.

A Srª Conceição “Cega” ficou com a casa em usufruto até morrer. Após o seu passamento a casa reverteu para os herdeiros naturais de J. P. Dias. No caso, D. Alice, já 2ª sobrinha, filha de D. Maria e de Srº João Lopes. Esta senhora estava casada com o senhor António Matias. Viviam em Monte da Pedra. (Fui a casa destes senhores algumas vezes, na segunda metade da década de sessenta, acompanhando o Sr. Padre José Maria, quando este ia celebrar missa aos domingos ao Monte da Pedra, pois eu era o sacristão. Estes senhores, por vezes, convidavam o prior para petiscar. Tinham grandes lumes no Inverno, onde assavam chouriços e cacholeiras, num espeto, à borralheira. Para mim, à data, ultrapassava completamente a minha realidade e imaginário!)

 

Voltando à narrativa fundamental… que isto da “conversa é como as cerejas”…

O Srº Joaquim Pedro Dias também terá deixado marca identitária na Horta de Sampaio?! Hei-de perguntar ao atual proprietário.

 

Também contarei ainda mais uma narrativa sobre este senhor e outra horta que também era sua: a “Horta do Carrasqueiro”. A Mãe informou-me que aí também há “escritas”. Algo a pesquisar e confirmar “in loco”.

 

Obrigado por nos acompanhar nestas narrações. Muita Saúde. E Paz!

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D