Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Apeadeiro da Mata

Apeadeiro da Mata

17
Jan22

Fontes Públicas da Aldeia

Francisco Carita Mata

Síntese Avaliativa

Na senda de divulgação do Património de Aldeia da Mata, publicámos vários postais, inicialmente em “Aquém-Tejo” e, após a criação de “Apeadeiro da Mata”, principalmente neste blogue.

Sobre as pontes, as ribeiras, as fontes, as passadeiras, as paisagens, monumentos geológicos, a casa-museu, as ruas, as casas…

Também Património Imaterial: Poemas de vários conterrâneos, cantigas tradicionais, lengalengas

Em “Apeadeiro”, o último grande tema desenvolvido foram as Fontes. Através de fotos, de algumas opiniões e comentários meus e, muito especialmente, dos “Livros do Srº João, em prosa e em verso:

Sobre as Fontes, apresentei postais sobre:

Fonte de Alter

Fonte de Alter. Foto Original. 2021.12.01.jpg

Fonte do Boneco

Fonte do Boneco. Foto original. 2021.12.01.jpg

Fonte da Ordem

Fonte da Ordem. Foto original. 2021.07.09.jpg

Fonte da Bica

Fonte da Bica. Foto original. 2021.07.09.jpg

Fonte do Salto

Fonte do Salto. Foto Original. 2021.07.11.jpg

Fonte das Pulhas

Fonte das Pulhas. Foto Original. 2021.07.08.jpg

As três últimas são as que dispõem de melhores águas, sendo, todavia, diferentes. São também as que são mais procuradas. São as três aonde também vamos com mais ou menos regularidade.

Algumas considerações se me oferecem referir:

É imprescindível limpar todos os anos o espaço circundante das fontes. A respetiva pintura não precisará de ser anual, todavia com a regularidade necessária. Os caminhos arranjados, segundo as possibilidades.

As respetivas arcas e a água existente, limpas interiormente, também de forma periódica.

As águas destas três últimas fontes, as que são mais procuradas, deveriam ser analisadas com a regularidade possível.

É fundamental criar “Percursos Pedestres” na Aldeia, que incluam as Fontes, as Passadeiras e as Pontes. Devidamente organizados, publicitados, promovidos, são suscetíveis de atrair pessoas.

(Três destas fontes foram incluídas, em meados de 2021, num Percurso Pedestre Histórico, que parte do Mosteiro de Flor da Rosa e termina na Anta de Aldeia da Mata. São elas, as Fontes do Boneco, da Ordem e da Bica. Percurso esse que, sendo histórico, paradoxalmente, não inclui as “Alminhas”!)

 

Os utentes das Fontes deverão ter o cuidado de não deixarem lixos e, sempre que possam, deslocar-se a pé até elas. Andar a pé, caminhar, faz muito bem à saúde. Se não puderem com um garrafão, levem uma garrafa.

 

E já que estamos em “maré eleitoral”, nas últimas “Eleições Autárquicas”, uma das candidaturas propunha criar um “Parque de Merendas” na Fonte do Salto. Discordo em absoluto dessa proposta. O espaço é curto e acidentado para tal fim e o pior de tudo, seria uma fonte de lixos, de todas as naturezas e feitios. A Fonte, de certeza, caso pudesse opinar, também discordaria.

Deixem a Fonte como está, cumprindo a sua função primordial: fornecer água a quem lha pedir, que a dá de muito boa vontade. Não a regateia.

Bebam boas águas, SFF. Andem a pé! Ide à Fonte, com regularidade! 

 

Caro/a Leitor/a, se tivesse que escolher uma Fonte, qual delas escolheria?

Muito Obrigado!

 

03
Jan22

Visita a Casa-Museu: Aldeia da Mata

Francisco Carita Mata

Uma Visita de Saudade!

(22 de Dezembro de 2021 - 22/12/2021)

Tivemos o privilégio de concretizar uma visita, acompanhados por Guia de Excelência, à Casa-Museu de Aldeia da Mata, no dia vinte e dois de Dezembro, ao final da manhã. Tendo acompanhado a criação da Casa-Museu, conhecedora da origem de muitas das peças, dos donos primitivos, que amavelmente as ofereceram para a respetiva criação, de algumas estórias a elas associadas, ficámos a conhecer melhor o espólio. Também sobre as principais protagonistas na recoleção do acervo.

Haveremos de voltar!

Visitar uma Casa-Museu não é o mesmo que uma visita a um Museu. Ademais numa Aldeia. O espólio não poderá ser observado apenas pelo respetivo valor material, mas também pelo lado afetivo. Mas isso também poderá dizer-se do espólio de qualquer outro museu. Só que, nos museus mais clássicos, o valor material intrínseco às peças fará esquecer o lado afetivo associado a quem as obteve para o museu.

As peças expostas, estruturadas habitualmente por conceitos temáticos, resultaram de doações feitas pela Comunidade Aldeã. A maioria dos Doadores já não está entre nós, no “Mundo dos Vivos”.  Fica a respetiva Memória documentada nos objetos em exposição, lembrando-nos as respetivas vivências.

É por isso que a visita dos Descendentes, espalhados na “Diáspora Alentejana”, é um ato de celebração dum passado, desconhecido para a maioria de nós, um reavivar da nossa História Coletiva.

Gostámos muito da visita!

Apresentamos nas fotos dois conjuntos de peças:

Uma cantareira - "Estante de vinte pratos" e cinco tigelas.

Estante de 20 pratos. Foto Original. 2021.12.22.jpg

E um conjunto de medidas de cereais e algumas ferramentas de alguns ofícios.

Ferramentas e medidas de secos. Foto original. 2021.12.22.jpg

Algumas sugestões:

Frisar o que já referi em postal anterior: a Casa-Museu precisa ter um horário de visitas definido.

Deverá ser mais divulgada. Comparecendo também nos Roteiros Temáticos de Visitas do Concelho e da Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo.

Aldeia da Mata precisa de alargar o conceito de Casa-Museu. Criando um Centro Interpretativo ligado às Atividades Profissionais, nomeadamente os Ofícios Tradicionais. E, muito especificamente, os ligados às Atividades Agrícolas.

Locais para concretizar há. As antigas Escolas Primárias poderão adaptar-se a tal fim. Uma destinada aos aspetos referentes ao ENSINO. E outra para Centro Interpretativo de OFÍCIOS, alguns, pelo menos.

Para a AGRICULTURA há um espaço que julgo interessante, embora seja particular. Mas tem disponibilidade para grandes peças.

Material para constituição destas extensões de “Casa-Museu” não faltará de certeza.

Por mim, falo!

Muita Saúde. Excelente Ano de 2022! “Um ANO BOM!”

 

27
Dez21

Erosão no “Entroncamento da Azinhaga e da Travessa” II

Francisco Carita Mata

Começaram as Obras!

Aldeia da Mata

Travessa do Fundão. Foto Original. 2021.12.23.jpg

Já abordei este assunto em “Apeadeiro” em diversos postais. Para além de também ter escrito sobre o tema, em “Aquém-Tejo”.

Travessa Fundão II. Foto original. 2021.12.23.jpg

Pois, tenho a informar que as “Obras” já começaram.

Na semana antes do Natal, constatei o facto que as fotos documentam.

Travessa do Fundão III. Foto original. 2021.12.23.jpg

Quero, por este meio, felicitar e agradecer aos “Herdeiros de Doutor Agostinho” que diligenciaram, por sua iniciativa, o trabalho que as fotografias ilustram. Doutor Agostinho, Médico Ilustre e Altruísta, de Aldeia da Mata, é merecedor de todo o nosso reconhecimento.

Obrigado! Parabéns!

Travessa do Fundão IV. Foto original. 2021.12.23.jpg

Compete, agora, às Autarquias Locais: Junta de Freguesia de Aldeia da Mata e Câmara Municipal do Crato diligenciarem no acabamento da Obra.

Dois mil e vinte e dois está quase aí.

Formulo Votos de Festas Felizes e Excelente ano de 2022. Com muita Saúde!

Não resisto a ilustrar com mais duas fotos:

“Pôr-do-Sol”, visto do Adro da Igreja Matriz. No Inverno!

Pôr-do-sol. Foto original. 2021.12.23.jpg

Não é preciso viajarmos para locais longínquos para apreciarmos bonitas paisagens!

E da célebre Araucária-de-Norfolk.

Araucária de Norfolk. Foto Original. 2021.12.23.jpg

Reforço a sugestão anterior de, em anos futuros, esta Árvore ser “Candidata a Árvore do Ano”!

 

17
Dez21

Casa-Museu - Aldeia da Mata

Francisco Carita Mata

Sugestões!

Votos Natalícios.

Uma Visita inesperada?!

Coroas Natalícias na Casa. Foto Original. 2021.12.12.jpg

Já apresentei várias vezes imagens exteriores da Casa-Museu de Aldeia da Mata. Tanto em Aquém-Tejo, como em “Apeadeiro da Mata”. As últimas foram em “Apeadeiro”.

Hoje, volto a documentar este singelo, mas peculiar e sentimental monumento. Agora, com uma renovada “coroa natalícia”! Original e com elementos vegetais autóctones.

Já não visito há algum tempo. Visitarei um destes dias e mostrarei algumas fotos.

Hoje, nas fotos, comparo as coroas.

Porta Casa Museu. Foto original. 2021.12.01.jpg

Algumas sugestões:

Coroa natalícia. Foto Original. 2021.11.30.jpg

A Casa-Museu deveria ter um horário de visita definido. Não é preciso ser para todos os dias. Não precisa estar afixado na Casa, mas na Junta. Ser público. Estar disponível online. Não é necessário estar uma pessoa presente na Casa, nesse(s) dia(s). Basta que se saiba que, havendo visitantes, alguém está disponível para acompanhar na visita. Disponibilizar marcações online.

Figurar também em "Brochuras e Roteiros" Turísticos.

Coroa natalícia. Foto original. 2021.11.30.jpg

Aproveito para desejar um Santo e Feliz Natal, a todos os meus Conterrâneos, Amigos e Familiares, a quem não o possa expressar pessoalmente.

A todos/as Leitores/as, Visitantes, deste meu blogue, também um Santo e Feliz Natal!

Muito Obrigado e Votos de Muita Saúde

E, no final, uma surpresa.

Cabrinha Sapadora. Foto Original. 2021.12.12.jpg

Uma visita inesperada à Casa- Museu?!

 

15
Dez21

A Fonte D’Ordem!

Francisco Carita Mata

Um Testemunho do Passado! A “Caraça” da Fonte da Ordem!

Caraça fonte da ordem. Foto original. 2021.02.01.jpg

Um relato de um motim e duas quadras alusivas.

Só hoje consigo voltar às Fontes. E, especificamente, à Fonte D’Ordem, a partir de sugestão de “Aquém – Tejo”! Outros afazeres…

Fonte da ordem. Foto original. 2021.07.09.jpg

A “Fonte D’Ordem”, da Ordem, frise-se, Ordem Militar de Malta, será das fontes mais antigas da Aldeia. Era uma fonte de mergulho, de que me lembro muito bem. Foi remodelada, isto é, fechada, certamente na época em que arranjaram também a “Fonte das Pulhas”, cuja data está registada: 1989. Deduzo eu, que não confirmei, indaguei ou pesquisei especificamente.

No referente à Fonte das Pulhas, de que me lembro, também muito bem, ser de mergulho, penso que agiram corretamente. A água é boa, é relativamente abundante. Algumas pessoas vão lá buscar água. Nós, também. Assim é bem aproveitada. A ser de mergulho, seria menos apetecível de recolher o precioso líquido.

Fonte da ordem. Foto original. 2021.07.09. jpg

Quanto à Fonte D’Ordem, penso que teria ficado melhor como estava, testemunhando um modelo de fonte antiga. Desde que me lembro, anos sessenta, a respetiva água era considerada imprópria para consumo. Todavia está como documentam as fotos e não há nada a fazer. Acontece nas mais variadas situações, lugares e tempos, efetuarem-se obras nos mais diversos testemunhos do passado, alterando-os, sem que daí advenham especiais benefícios. (Tenho dito!)

Fonte da Ordem. Foto original. 2021.12.01.jpg

Essa categorização de “imprópria para consumo” é anterior aos anos sessenta. Não sei precisar data exata.

Essa ação desencadeou, nomeadamente, um motim sobre que João Guerreiro da Purificação, no seu livro póstumo, “a nossa terra”, Edição “Há Cultura”, 2000, pag. 148, relata o seguinte: «…Nessa época, a Fonte d'Ordem era muito procurada pelo povo, e como nas nossas fontes se sentia uma enorme falta de água, o povo amotinou-se quando as autoridades a mandaram entupir a pretexto de ser imprópria para consumo, logo numa altura de tanta escassez. Só que o povo não lhes deu ouvidos, principalmente as mulheres, que se encheram de coragem e desentupiram a fonte, para as continuar servindo com a sua água. (…)

Na ocasião do motim, o Senhor Joaquim Paulo Sequeira, inspirado com o sucedido, fez umas quadras, das quais só consegui saber as duas que se seguem.

Eu cá sou a Fonte d’Ordem

Meu nome não é de negar

Tanto ao rico como ao pobre

Eu ajudei a criar.

 

Foi enorme ingratidão

Mataram-me sem razão

Pois quando me pediam água

Eu jamais disse não.»

Carranca da Fonte da Ordem. Foto Original. 2021.12.01.jpg

E, por agora, me fico por aqui. Que ainda voltarei às Fontes. E, em Poesia!

Saúde! E, Obrigado!

 

 

05
Dez21

A Fonte do Boneco!

Francisco Carita Mata

Placa indicativa da Fonte. Foto original. 01.12.2114524.jpg

Um convite a um passeio por “Fontes…”!

Fonte do Boneco. Vista de Sul. Foto original. 2021.12.01.jpg

Acedendo ao convite de “Aquém-Tejo”, o “Apeadeiro” vai levar-nos à Fonte do Boneco.

Fontanário. Foto original. 2021.12.01.jpg

Desde logo, o nome. Peculiar. Deveras interessante. Desconheço, em absoluto, porque será assim designada esta fonte. A designação de locais específicos das mais diversas localidades, bem como os nomes próprios destas, perdem-se muitas vezes na nebulosidade dos tempos ancestrais.

Fonte vista de NE. Foto original. 2021.12.01.jpg

(As quatro fotos anteriores são de 01/12/21, bem como as quatro últimas.)

Fica esta Fonte situada a Sul / Sudeste de Aldeia da Mata. Num caminho vicinal, ancestral, que este ano foi integrado nos “Percursos Pedestres” do Alentejo, conforme se verifica em três das fotos anteriores.

Terá sido integrado entre Fevereiro e Julho, conforme as fotos seguintes ilustram.

Fonte em Fevereiro. Foto Original. 2021.02.01.jpg

Fonte em julho. Foto Original. 2021.07.09.jpg

Um Percurso Histórico, com partida em Flor da Rosa, junto ao Mosteiro. Dirige-se ao Crato, posteriormente segue por Aldeia. Alem desta Fonte, segue também pela da Ordem, de que mostraremos imagens em próximo postal, pela da Bica, pelas “Alminhas”, terminando na Anta, monumento de há cinco mil anos!

Penso que este percurso poderia ter integrado os Cruzeiros, as Ermidas, a Igreja Matriz, a Casa Museu. 

(Não esquecer de criar o Percurso: “Fontes, Passadeiras e Pontes”!)

Mais imagens da Fonte do Boneco: excertos.

O tanque dos burros ou das bestas!

O tanque dos burros. Foto original. 2021.12.01.jpg

(Sem água. Porque, atualmente, não há burros nem bestas!)

Fontanário visto de Leste.

Fontanário visto de Leste. Foto original. 2021.12.01.jpg

Fonte, vista de Sul e bois pastando!

Fonte vista de Sul e bois pastando. Foto Original. 2021.12.01.jpg

No final, um mirone! Com “cara de poucos amigos”, ou apenas curioso?!

Um mirone na fonte. Foto original. 2021.12.01.jpg

Saúde! Bons passeios. Beba boas águas! Obrigado pela sua visita. Respeite a Natureza. Não deixe lixo!

 

16
Nov21

Pote da Fortuna e Paisagem circundante!

Francisco Carita Mata

Paisagem primaveril. Foto original. 2021.04.02.jpg

Paisagem relevante enquadrando uma obra de “trash art”!

Tapada. Vista para a Ribeira. Foto original. 2021.04.02.jpg

Em “Aquém-Tejo”, publiquei um postal peculiar sobre “Trash Art”, em plena Natureza.

Azinheira centenária. Foto original. 2021.04.02.jpg

A partir de um comentário de "Maior de Sessenta", que relaciona essa “instalação artística” com outras semelhantes espalhadas pelos mais diversos locais, referi que esse “objeto artístico” está enquadrado num contexto paisagístico deveras interessante.

Espinheiro. Cabras. Foto original. 2021.04.02.jpg

É esse acervo documental que apresento neste postal em “Apeadeiro”.

As fotos são de dois de Abril, deste ano. Um contexto de tempo bastante diferente do atual: Primavera - Outono!

Mas as paisagens enquadram o local onde está o célebre "Pote"!

A flor seguinte, de um lírio campestre (?), estava bem próxima do dito cujo.

Lírio campestre. Foto original. 2021.04.02.jpg

Tal como o muro que se segue.

Muro tradicional. Foto original. 2021.04.02. jpg

Muros destes são para preservar. Contrariamente a outros que são de destruir.

Observe as técnicas construtivas com escassos materiais e todos naturais.

E estas "meninas", "Cabras Sapadoras" eram presença habitual no espaço.

Cabras sapadoras. Foto original. 2021.04.02.jpg

E nem imagina a sonoridade dos chocalhos! Gravei, mas não consigo transpor para o blogue.

Espero que tenha apreciado as paisagens. E Obrigado!

 

11
Nov21

"Vamos dar de beber… à Dor"?

Francisco Carita Mata

Em “Dia de São Martinho” é o que apetece, não?!

Mas não. Vamos beber, sim, mas ainda na Fonte da Bica e num texto original.

Fonte da Bica. Geral. 2021.09.01.jpg

A Fonte da Bica: Descrição de J. Guerreiro da Purificação

«A Fonte da Bica»

Fonte, aspeto central. Foto original. 2021.09.01.jpg

«As nascentes vêm de duas minas do terreno do Senhor António Marques, ou seja, do chão que fica em frente quando se sobe a azinhaga onde está a arca, a pouca distância desta. Estas minas foram abertas pelo Senhor Joaquim Paté Caldeira (o Ti Torrado).

Arca da Fonte. Foto original. 2021.07.09.jpg

A arca desta fonte foi feita depois de ter havido um desastre na primeira. Um caso estranho e que passo a contar. A primeira arca da fonte estava construída no meio da azinhaga, um pouco mais acima da direcção da actual, mas soterrada para o trânsito ficar livre. Mas um dia aconteceu que uma vaca do Senhor José Durão, o antigo dono do terreno onde estão as minas, meteu as patas por entre os cascões de pedra que tapavam a arca. Depois, só com a ajuda de vários homens conseguiram tirar de lá o animal.

Azinhaga acima da Arca da Fonte. Foto original. 2021.07.09.jpg

A Fonte da Bica, é das fontes da terra, a mais procurada pelo nosso povo. Há uns anos, antes de haver água canalizada e a Aldeia com mais povoação, a água desta fonte no Verão era todos os anos muito pouca, o que originava a tão maçadora “espera”.»

A Bica. Foto original. 2021.09.01.jpg

In. “A Nossa Terra” – Purificação, João Guerreiro da – Há Cultura / Associação de Amizade à Infância e Terceira Idade de Aldeia da Mata, 2000. Pag.s 146, 147.

Arca da Fonte. Enquadramento geral. Foto original. 2021.07.09.jpg

(João Guerreiro da Purificação – Aldeia da Mata – 10/07/1927 – 17/12/1997.)

Fonte da Bica. Geral. Foto Original. 2021.07.09.jpg

Continuo a divulgar as “Fontes de Aldeia”, ilustrando os postais com imagens globais ou parcelares das mesmas.

Divulgo igualmente textos do livro supracitado, de Autoria do “Senhor João”. Assim vou dando a conhecer parte do Património material e imaterial, referente a Aldeia da Mata. Estes textos contêm referências à localidade, reportando-se a um tempo muito diverso daquele que conhecemos hoje.

O “trânsito” referido reporta-se a carros movidos por tração animal: muares: machos, mulas, burros, burras e vacas. O episódio referenciado menciona uma situação dessas. Situar-se-á aí pelos anos trinta, quarenta, do séc. XX. Talvez! Até finais dos anos setenta ainda havia muitos carros puxados por tração animal. Os carros motorizados, em Portugal, só se generalizaram a partir da segunda metade desta década, mercê da melhoria generalizada das condições de vida, especialmente das classes trabalhadoras.

Outro termo citado, a “espera”. Refere-se ao facto de, no Verão, as nascentes das fontes serem mais fracas, pelo que corria menos água nas bicas. Como a procura era bastante, dado não haver água canalizada, as pessoas que iam às fontes, quase exclusivamente as mulheres, ficavam esperando, na respetiva “vez”, isto é, ordem de chegada, até que a água voltasse a correr na bica. Para encherem os cântaros, os asados, as infusas.

Lembro-me da instalação da água canalizada na Aldeia e da abertura de canos por todas as ruas. Corria o ano de 1966! A instalação dos esgotos ocorreu bem depois. Já nos finais de setenta ou inícios de oitenta. (Não me lembro com precisão.)

Mas não pense que estas situações de carências de bens e serviços que hoje consideramos básicos eram especificas das Aldeias. Eram comuns nas Cidades também. Atingiam proporções e condições ainda bem piores do que ocorria no Interior. Basta lembrar os “bairros de lata”, que enxameavam toda a Grande Lisboa!

Nos terrenos do supermoderno “Parque das Nações” existia a célebre “Lixeira de Beirolas”. Frisar que foi a “Expo 98”, que despoletou a requalificação de todo aquele espaço.

Só para lembrar este Portugal, ainda recente, que fomos!

Muito Obrigado e Muita Saúde!

 

09
Nov21

Fonte da Bica: Fotos Gerais.

Francisco Carita Mata

Fonte da Bica I. Foto original. 2021.07.09.jpg

Fonte já integrada nos “Percursos Pedestres”, como se pode verificar na foto primeira.

Fonte da Bica II. Foto original. 2021.07.09.jpg

Dir-me-á que não será boa altura de andar por aí, pelas Fontes...

Fonte da Bica III. Foto original. 2021.09.01.jpg

Por acaso até considero que é. Está um pouco mais frio, é certo. Mas o nosso clima é o que é e já aí está o “Verão de São Martinho”! Quase coincidiu com o “… dos Marmelos”!

E estes passeios são sempre saudáveis. Bem sei que muita gente saudável anda na colheita da azeitona. Valentes! Mantêm a tradição e aproveitam um recurso precioso. Parabéns!

Mas voltando à Fonte. Apresento vários excertos fotográficos.

Fonte da Bica IV. Foto original. 2021.09.01.jpg

Desde logo o nome: … da Bica! Certamente das primeiras a ter essa funcionalidade: uma bica. Quando as outras seriam de mergulho. Digo eu! Na foto anterior: a bica e o"ladrão". Que até nas fontes os há! (...)

A "Arca da Fonte"

A Arca da Fonte. Foto original. 2021.07.09.jpg

A conduta de transporte da água até à fonte, aproveitando ou servindo também de muro. Funcionalidades. Inteligência prática de antepassados.

Conduta da água. Foto original. 2021.07.09.jpg

O respiradoiro da água.

Igualmente funcional e devidamente protegido! Em fundo, imagens da Aldeia.

Respiradoiro da água. Foto Original. 2021.07.09.jpg

Outra funcionalidade: o poço. A jusante. E a respetiva bomba manual que enchia os bebedouros do gado.

Poço e bomba manual. Foto original. 2021.09.01.jpg

Quando havia vacas e muares e estes e aquelas iam beber à água remanescente da fonte ou do poço, quando a da fonte escasseava! Agora, sobra e desperdiça-se!

A fonte e várias das funcionalidades.

E as ovelhas chocalheiras.

Fonte e ovelhas. Foto Original. 2021.09.01.jpg

Algumas já terão figurado noutros postais. Nomeadamente num sobre "Oliveira Milenar", que se acha bem perto da Fonte. É só seguir para a "Fonte da Baganha".

Aventure-se! A pé! SFF!

E sobre as Fontes: Não será conveniente que, periodicamente, as respetivas águas sejam analisadas?! E devidamente aproveitadas por todos nós?!

Digo eu...

Saúde! E Obrigado!

 

03
Nov21

Erosão no “entroncamento” da “Azinhaga e da Travessa” (I)!

Francisco Carita Mata

Uma obra que urge arranjar com caráter de durabilidade.

Erosão no entroncamento. Foto Original. 2021.10.31.jpg

É preciso resolver este assunto com caráter mais definitivo e duradouro. 

Erosão no entroncamento II. Foto Original. 2021.10.31. jpg

O célebre “entroncamento” entre a “Travessa do Fundão / Azinhaga da Atafona” e a “Azinhaga do Poço dos Cães” é necessário arranjá-lo de modo que seja durável o arranjo efetuado.

Erosão na Azinhaga. Foto Original. 2021.10.31.jpg

Ainda recentissimamente foi colocada a gravilha: em 08/10/21. Mal chegou a chuva, nos dias finais do mês, 29, 30 e 31, logo ela se esvaiu.

Erosão na Azinhaga II. 2021.10.31.jpg  

Ficaram os sulcos no “cruzamento”, as regueiras novamente abertas. 

A “Azinhaga”, a parecer uma ribeira… 

Gravilha no Vale I. Foto original. 2021.10.31.jpg

E os areões e gravilhas a irem parar ao “Vale de Baixo”!

Gravilha Vale II. Foto Original. 2021.10.31.jpg

Um ciclo que só terminará quando esse “cruzamento” for revestido a alcatrão ou outro material resistente, que os técnicos especializados da Câmara saberão melhor que eu. Com caleiras e cano subterrâneo, para escoamento das águas.  

Acabar com as obras de remedeio, que duram escassas semanas. Vindo novas chuvadas volta-se ao mesmo. 

Apelo às Autoridades competentes, aos técnicos especializados, que se empenhem cabalmente na resolução do problema.

(Arranjar esse “entroncamento” será bom. Se arranjarem toda a Azinhaga do Poço dos Cães será ótimo!)

E não esquecer a colocação de uma lâmpada no poste junto a quintal de Drº Agostinho.

Obrigado pela atenção.

Votos de muita Saúde!

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D