Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Apeadeiro da Mata

Apeadeiro da Mata

08
Mai23

Coletânea "ERA UMA VEZ...ALENTEJO" 23

Francisco Carita Mata

Os meus contributos 2023

Aldeia da Mata vista do Rescão. Foto original. 04.04.23.

Aldeia da Mata - Povoação centenária do Alto Alentejo.

Vista a partir da Tapada do Rescão.

O perfil do povoado mais antigo: "Terreiro". A Torre Sineira da Igreja Matriz e a Araucária, os dois ícones da Aldeia. 

Enquadrando a paisagem e a foto, ramagens de azinheiras. E oliveiras.

Os restos dos muros antigos de pedras graníticas, delimitando as propriedades. A partir da Tapada do Rescão, de onde tirei a foto, identifica-se o Chão da Pereira, a Tapada das Freiras, o Vale de Baixo. Seguem-se os Chãos e quintais junto às habitações.

*******

Esta foto inclui-se na Antologia Virtual, integrando a referida Coletânea, promovida pelo Instituto Cultural de Évora e divulgada através da Editora Recanto das Letras.

Consulte SFF.

Participei também com um poema: Maios de Abril, interligado com foto também original, que divulguei em Aquém-Tejo.

No ano passado também já havia participado.

Ainda penso organizar postal, com ligações para outros participantes do universo SAPO.

Boas leituras virtuais é o que lhe desejo, Caro/a Leitor/a.

Obrigado pela sua atenção.

 

23
Dez22

Feliz Natal: 2022!

Francisco Carita Mata

Um conjunto de fotos sugestivas e evocativas desta quadra natalícia.

O Nascimento. O desvelo, o Amor maternal!

Nascimento. Foto Original. 20.12.22.

Em locais, onde, na infância, íamos recolher musgos para o presépio, na Igreja Matriz.  

Será que ainda se faz o Presépio na Igreja Matriz?! (Não sei de todo.)

Imagens em tapadas limítrofes da Tapada do Rescão, na margem esquerda da Ribeira do Salto.

Ovelhas. Igreja. Araucária. Foto original. 20.12.22

Ruínas de um antigo castelo?!

Castelo. Tapada do Rescão. Foto original. 20.12.22

Colossos pétreos de gigantes ancestrais?!

Colossos na tapada do rescão. Foto original. 20.12.22

No imaginário infantil, todos os sonhos eram possíveis, perante o que desconhecíamos. Podíamos “navegar” em mundos ancestrais ou futuristas…

*******

Um Natal Feliz para todos/as Conterrâneos/as!

Muito particularmente para Si, Caro/a Leitor/a, que tem tido a amabilidade de nos acompanhar neste percurso de postais, neste “Apeadeiro da Matta”. Saúde e Paz!

 

 

27
Nov22

Cogumelos (II) – Aldeia da Mata

Francisco Carita Mata

Cogumelos. Foto original. 14.10.22.

E uma foto de líquenes, num tronquito de azinheira!

Apresento novamente uma coleção de fotos de cogumelos, deste Outono primaveril, em Aldeia da Mata. Fotografados, em Outubro e Novembro, nos locais habituais que tenho frequentado nestes últimos anos, com especial incidência neste de 2022.

No postal anterior sobre o tema, em "Aquém-Tejo",  “Cogumelos (I)”, num comentário, tiveram a amabilidade de sugerir que pesquisasse em “Google Lens”. Tentei. Mas não consegui entender-me com a metodologia. Ainda não é desta que apresento designações específicas e científicas sobre o assunto.

No respeitante a estes espécimes nem a designação comum conheço. Os dois tipos cujo nome vulgar sei, ainda não os consegui documentar este ano.

O 1º exemplar abrindo o postal, documentado a 14/10, inserido na Oliveira do Quintal de Cima. Onde é residente habitual. Aparece regularmente e encontro exemplares semelhantes junto de diversas oliveiras nos terrenos que percorro.

O segundo conjunto é uma verdadeira colónia. Foto de 01/11, julgo que no “Chão da Atafona”. Também observei semelhantes noutros locais. Nome?!

Cogumelos. Foto original. 01.11.22.

A 3ª foto, também de 01/11, apresenta, bem visível, um parzinho desigual. Um terceiro esconde-se debaixo do chapéu do maiorzito. Inseridos no meio de ervas secas em decomposição, resultantes das limpezas que fiz durante os dias tórridos de Julho e Agosto. No enquadramento da foto, observam-se duas folhas de “jarro” campestre e um pedaço de ramo de figueira da Índia, dos que plantei junto aos muretes. Parcialmente comida pelas ovelhas. No “Vale de Baixo”, imediatamente à entrada, no lado esquerdo. Nome de batismo?!

Cogumelo. Foto original. 01.11.22

Os dois exemplares seguintes, fotografados a 10/11, localizei-os no “Caminho da Fonte das Pulhas”. Enquadrados na vegetação herbácea. No segundo, a planta dominante é a erva-canária. Como se chamam?!

Cogumelo. Foto original. 10.11.22

Cogumelo. Foto original. 10.11.22

Observe este belo conjunto de quatro, em foto ampliada, de 16/11. Junto a rede protetora de planta, também à entrada do “Vale de Baixo”.

Cogumelo. Foto original. 16.11.22

O duo que se segue, imagem de 16/11, estagiavam no “Chão da Atafona”. Havia bastantes desta tipologia, cuja nomenclatura também ignoro. (É caso para dizer: Tanta ignorância!)

Cogumelo. Foto original. 16.11.22

As duas fotos seguintes, de 21/11, registei-as na Tapada do Rescão, quando fui aos espargos, raríssimos nesta época, contrariamente aos cogumelos.

A próxima foto, e penúltima, é de cogumelo. Parece-me tortulho, mas de pequena dimensão. Será?! Ou de algum que parecendo, não o é, mas é perigoso?! Cuidado!

 

Cogumelo. Foto original. 21.11.22

A última deste acervo, ampliada, mostra-nos líquenes indexados a um ramito morto de azinheira.

Líquenes. Foto Original. 21.11.22

Líquenes são da família dos cogumelos?! (Ora, vá ao google, SFF! Dir-me-á, o/a Caro/a Leitor/a. E fui! A explicação deduzi-a. Líquenes são uma simbiose entre fungos e algas. Cogumelos são fungos.  Logo, serão categorias diferentes.)

Saúde e Paz! E cuidado com os cogumelos, que alguns são venenosos ou tóxicos! Provavelmente todos os que aqui apresentei.

 

11
Nov22

Araucária – Árvore icónica de Aldeia da Mata

Francisco Carita Mata

Uma marca identitária!

Araucária. Vista do Vale. Foto original. 27.03.22

Ontem, em Aquém-Tejo, escrevi sobre a candidatura a Árvore do Ano 2023, e sobre uma Oliveira Milenar, localizada a caminho da Fonte da Baganha.

Hoje, paramos no Apeadeiro da Mata, para testemunharmos sobre a célebre Araucária de Norfolk, marca identitária do perfil de Aldeia da Mata.

Situada num quintal particular, propriedade privada, evidentemente, todavia acaba por ser Património afetivo e cultural de toda a Freguesia. É, indubitavelmente, a Árvore mais emblemática, mais marcante da Aldeia. Pelo seu porte majestoso, a respetiva dimensão, as características formais, a proverbial localização junto à Igreja Matriz, ombreando com a torre sineira. Pese, embora, o facto de não ser uma árvore autóctone!

Para quem se dirija ao povoado, proveniente de Leste, do Norte, de Oeste, está sempre presente o respetivo enquadramento altaneiro.

As fotos testemunham o afirmado.

Foto titulando postal: vista de Noroeste, a partir do “Vale de Baixo” - 27/03/22. É, para mim, uma vista diária.

Araucária. Vista da tapada do rescão. Foto original. 07.04.22

2ª foto – 07/04/22 – vista de NW, a partir da “Tapada do Rescão”.

Araucária. Vista do caminho das Alminhas. Foto original. 24.04.22

3ª foto – 27/04/22 – vista de Nordeste, a partir do “Caminho das Alminhas”

Araucária. Vista do caminho do poço dos cães. Foto original. 08.05.22

4ª foto – 08/05/22 – vista a partir do “Caminho do Poço dos Cães” – Norte.

Araucária. Vista do Adro de São Martinho. Foto original. 23.09.22

5ª foto – 23/09/22 – vista de Oeste – Adro de São Martinho.

E se, num próximo ano, houvesse a ousadia de candidatar esta Araucária a Árvore do Ano?

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D